Darkover de Marion Zimmer Bradley

Originalmente publicado no Zenit 2/m

Marion Zimmer Bradley (MZB) é bastante conhecida como autora da série As Brumas de Avalon, adaptada para o cinema em 2001, que conta uma versão da história do Rei Arthur a partir da visão das mulheres envolvidas. Embora seja essa sua obra mais conhecida, MZB publicou aproximadamente 85 obras de ficção — sem contar as publicadas sob pseudônimos. Muitas dessas obras pertencem a séries — sendo As Brumas de Avalon apenas um dos ciclos da série sobre a ilha de Avalon- a mais extensa delas é a que conta a história de Darkover, um planeta pertencente ao sistema Cottman, que foi acidentalmente colonizado por humanos e redescoberto cerca de 2000 anos depois pelo Império Terrestre.

A série Darkover compreende 46 obras — nem todas escritas por MZB -, divididas em ciclos de acordo com as eras históricas do planeta. Temos de início A Descoberta, cuja história é contada em A Chegada em Darkover (Darkover’s Landfall) de 1972. Embora seja a obra que inicia a série, não foi a primeira a ser escrita. Vários autores escreveram contos sobre essa era, mas a única obra da autora original é esta.

A segunda era descrita é A Era do Caos, quando a tecnologia darkovana atingiu seu ápice, com o desenvolvimento da ciência da Matriz. Várias histórias se referem a esta era como um tempo em que a violência atingiu seu máximo por conta da excessiva criatividade e crueldade das armas construídas com a utilização da ciência da Matriz. É também a era em que a maioria das leis foi forjada, mesmo que a maior parte da história deste período tenha sido perdida. Apenas um livro foi escrito por MZB, Rainha da Tempestade (StormQueen!) de 1978.

A terceira era é a dos Cem Reinos, sobre a qual muitos livros foram escritos. Nessa era Darkover se dividiu em inúmeros pequenos reinos e a Ciência da Matriz começou sua decaída. É no final desta em que a estrutura social darkovana inicia sua consolidação como é visto nas próximas eras e na redescoberta de Dakrover pelos terráqueos.

Callista Rendered por Pyracantha

A quarta era não é nomeada, mas sugere-se que houve um lapso de aproximadamente 100 a 250 anos entre a consolidação da estrutura social e territorial que compreende o que é chamado de Domínios e a redescoberta. Não há histórias sobre este período.

A quinta e a sexta eras compreendam a Redescoberta de Darkover pelos Império Terráqueo e a maioria de suas histórias conta sobre o choque entre a cultura terráquea e a darkovana. É neste era em que surge também as primeiras histórias centradas nas Amazonas Livres, um dos temas mais famosos dos livos de MZB — que será tratado em um post a parte.

A tecnologia e a estrutura social darkovanas são dois dos tópico mais interessantes da série. A primeira por ser algo totalmente diverso do que se tem na ficção científica usualmente, com a ciência da Matriz girando em torno do poder da mente humana e sua interação com as pedras-estrelas ou pedras-matriz nativas do planeta, numa mescla entre algo que parece magia, mas que por muitas vezes é descrito de modo bastante científico, sendo uma tecnologia desenvolvida por humanos que permaneceram por dois milênios apartados do Império e que acabaram por esquecer suas raízes terráqueas e evoluir de maneira diversa.

O segundo tópico é utilizado por MZB como uma metáfora para falar sobre assuntos que estão também presentes em livos de outras de suas séries: o papel da mulher na sociedade e homosexualismo. Sobretudo nas histórias sobre as Amazonas Livres. Embora nem todos os livros da série versem sobre estes temas.

Mausoleum at Hali por Pyracantha

A série Darkover permite que cada livro seja lido separadamente e fora da cronologia, embora a maioria mencione fatos ocorridos em outras obras. MZB criou toda uma cultura e ciência que impressionam bastante pela riqueza de detalhes, embora seja possível perceber algumas inconsistências que ocorrem, na minha opinião, para que locais, pessoas e acontecimentos anteriores se encaixem de melhor forma na história contada, o que facilita a leitura isolada de cada livro. É um ponto positivo em uma série tão longa — e que não foi completamente publicada no Brasil. Entre tantos livros presentes na série, e que aqueles que já tive a oportunidade de ler, recomendo os seguintes:

  • A Senhora da Tempestade (Stormqueen!) — 1978
  • Dois Para Conquistar (Two to Conquer) — 1890
  • A Corrente Partida (The Shattered Chain) — 1976
  • A Casa de Thendara (Thendara House) — 1983

Embora a séria Darkover não seja tão conhecida nem tão admirada quanto As Brumas de Avalon ou outras obras de ficção científica, é de qualidade evidente e bastante apreciável. Muitas vezes os temas excessivamente femininos podem acabar por afastar os leitores masculinos, mas saibam que isso não um empecilho para apreciação das obras. Ainda assim, o tema do feminismo não é tão gritante e onipresente quanto na obra de outras autoras de ficção científica. E aqui farei um adendo sobre aqueles que ainda sentem uma certa resistência quando se trata destas autoras: deixem os preconceitos de lado, meninos, ou podem acabar perdendo uma boa leitura. A série Darkover pode não ser tanta qualidade quanto as séries do Império e da Fundação de Isaac Asimov, mas ainda vale muito a pena.

Aqui você encontra todas as obras em ordem cronológica (em inglês).

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.