Implementação de Modelos de Gestão: uma perspectiva no contexto dos processos do negócio.

Em recente publicação tratamos dos modelos de gestão no contexto da agregação de valor ao negócio. Vamos agora abordar o mesmo tema sob a perspectiva de sua implementação por meio da gestão dos processos de negócio.

Segundo o BPM CBOK "processos são compostos por atividades inter-relacionadas que solucionam uma questão específica. Essas atividades são governadas por regras de negócio e vistas no contexto de seu relacionamento com outras atividades para fornecer uma visão de sequência e fluxo".

Esta pode ser considerada uma definição padrão de um processo de negócio. Mas este termo pode ser tratado sob diversas perspectivas: consultamos o site do Object Management Group — OMG e nele encontramos 2.693 abordagens e descrições a ele associadas….

Nesta publicação vamos abordar somente uma pequena parte delas, relacionadas à (1) governança dos processos e sua contribuição para a efetividade dos modelos de gestão, e (2) aos métodos e ferramentas (tools) para descrever, automatizar e monitorar os processos.

Nesta linha, os temas objeto de discussão estão associados à maximização das oportunidades de otimização do desempenho dos processos para alcançar os objetivos estratégicos do negócio.

A governança dos processos deve identificar o que transformar nos mesmos em sintonia com as estratégias do negócio, com os projetos estratégicos associados e com o seu core business. Definido o seu foco deve-se então estabelecer os meios necessários para a gestão de processos:

criar uma infra-estrutura técnica de pessoas, métodos e tecnologias, interna ou através de terceiros, para mapear, modelar e implementar os processos considerados estratégicos para o negócio;
estabelecer indicadores para a mensuração dos resultados quanto à efetividade, eficiência e eficácia dos processos, nas perspectivas de valor econômico agregado (VEA), valor real agregado (VRA) e valor interno agregado (VIA), relacionados ao modelo de gestão do negócio;
definir projetos estratégicos e planos de ação para a melhoria dos processos de negócio, contemplando as competências essenciais do negócio como a expertise dos seus quadros técnicos e gerenciais, as tecnologias inerentes ao negócio, os "modos de fazer" associados à sua cadeia de valor, e os dados internos e externos necessários à gestão.

Para suportar a gestão de processos devem ser utilizados métodos e ferramentas de apoio às atividades de desenvolvimento, otimização e implementação. Nesta linha, a primeira providência deve ser a escolha de uma linguagem para a representação dos processos.

Atualmente o padrão mais adotado é o BPMN, que significa em inglês ‘Business Process Modeling Notation’ e em português ‘Notação de Modelagem de Processos de Negócios’. Ele consiste em uma série de ícones padrões para o desenho de processos, o que facilita a leitura e o entendimento dos mesmos tanto pelos técnicos como pelos usuários leigos dentro da organização.

Existem diversos fornecedores de ferramentas para gestão e representação dos processos através da notação BPM, dentre as quais salientamos o BizAgi pela sua disseminação de uso junto às empresas públicas e privadas e no meio acadêmico, e por ser gratuita (free) para uma ampla gama de funcionalidades.

Mas não queremos dizer com isso que não existam outras boas alternativas oferecidas no mercado, boa parte delas com a mesma característica de gratuidade nas suas versões básicas. Trata-se de uma preferência do autor pela sua experiência de utilização e pelos bons resultados alcançados.

Em um nível mais avançado, temos métodos e ferramentas associados à automação dos processos e à gestão dos resultados de sua execução: BPMS e BAM.

BPMS (Business Process Management Suites) são plataformas de software para automação da execução, controle e acompanhamento de processos sob forma automatizada.

Existem várias alternativas de BPMS oferecidas no mercado, dentre as quais Bizagi BPM Suite, Lecom BPM, Oracle BPM Suite e Oracle PCS (Process Cloud Service), Orquestra BPM e Sydle Seed.

Embora existam versões free para utilização limitada de funcionalidades e número de usuários, tais ferramentas, que constituem uma evolução no uso convencional do BPM, usualmente são pagas para o uso corporativo.

Outra característica de tais ferramentas é a possibilidade de utilização em modos alternativos: na rede interna da instituição ou na modalidade de computação em nuvem.

BAM (Business Activity Monitoring) são plataformas que possibilitam a realização de monitoramento em tempo real de indicadores de desempenho corporativos associados aos processos do negócio.

Tais ferramentas disponibilizam interfaces gráficas para exibição de dados, em formato de painel de bordo (dashboards), com diversas funcionalidades como repositório de informações a respeito dos resultados dos processos, integração com outros sistemas e bases de dados corporativos e monitoramento dos processos com alertas relacionados à diferença entre resultados reais comparados com os resultados esperados, entre outras.

As ferramentas de BAM usualmente estão incorporadas às principais suites (BPMS) ofertadas no mercado.

No entanto, a escolha da solução a ser implementada depende essencialmente da avaliação do grau de maturidade da gestão de processos dentro da organização e, principalmente, da definição quanto aos focos de controle a serem implementados.

Tais sistemas envolvem um esforço de gestão e um grau de complexidade que só justifica a sua adoção para aqueles processos chave da organização, diretamente associados ao seu core business.

Gostou da publicação? Quer conversar a respeito do tema? Fale conosco por e-mail: contato@newtonfleury.com ou por telefone: 55 (21) 98112–6660

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.