Apple Music X Spotify

Quem ganha a briga na minha humilde opinião é …

Estou escrevendo esse artigo no momento usando o iTunes, meu companheiro desde de 2009, quando resolvi testar algo diferente do Windows Media Player. Não sou o tipo audiófilo, mas gosto muito de música, muito mesmo a ponto de achar que o Spotify gratuito é um assassinato a música, mas as rádios já fazem isso a um bom tempo e todos precisam pagar contas no final do mês. Por conta disso sou assinante do Spotify Premium desde quando chegou no Brasil.

iTunes e iPod

Eu contei como gosto de produtos da Apple? Então meu primeiro produto foi um iPod Azul, que por problemas virou esse verde. Depois comprei alguns CD’s na iTunes Store quando chegou ao Brasil. E também comprei um iPad e um iPhone e minha próxima compra possivelmente será um MacBook. Pode escrever ali do lado que sou um fã boy.

A qualidade das músicas compradas na iTunes Store pra mim era sensacional, 256 kbps era lindo de se ouvir perto dos meus MP3s de 90 kpbs. Aí começa o problema. Você começa a ouvir música de qualidade e notar as diferenças. No iPod eu tinha músicas que a bateria praticamente não existia, mas as músicas do Eric Clapton tinha uma qualidade fora do comum.

Eu era feliz com a minha biblioteca de música. Cerca de 8 dias ininterruptos de música, música selecionada ao mesmo gosto para todos os momentos. O Genius do iTunes, fazia listas incríveis e a minha biblioteca estava em um HD externo, bastava eu copiar ela para computador que eu começasse a usar e pronto já tinha ela a minha disposição. Boa parte dessas músicas estava no iPod. Até aí esse era o mundinho perfeito criado pela Apple, para se escutar música.

Só que precisamos descobrir coisas novas.

Youtube

Pois é amigos, o Youtube foi meu canal de música por um bom tempo, eu montava playlists com músicas novas e que eu não não tinha o dinheiro para comprar músicas e não queria fazer o download ilegal (Faz um tempo que eu não concordo com a pirataria). Tanto que montava as listas baseadas somente em clipes que estavam no canal oficial da banda ou no Vevo. (Recomendo o Vevo, apesar de raramente funcionar bem no Brasil por conta dos bloqueios.)

Spotify

Janeiro de 2014 o serviço Spotify iniciou os testes aqui no Brasil. Serviço esse que não pude testar, mesmo tendo preenchido o formulário para ser beta tester e recebido o convite no e-mail, mas minha conta do Spotify era de fora do Brasil e nunca consegui migrar pra brasileira, tive que criar outra e só usar quando ele realmente começou, uns 4 meses depois.

Mas quando o serviço começou, já logo dei um jeito de começar a usar e gostei. O serviço tem o Radio e Playlists que me apresentava músicas novas. Tinha playlist muito bem trabalhadas. E me apresentou tanta coisa legal e tinha tanta música que fico até hoje perdido pensando em que ouvir. Antes disso o que estava me apresentando muita coisa legal era a 89 Rádio Rock (É a melhor rádio se não fossem as propagandas, que não terminam.) O que me irritava no Spotify eram as propagandas, que logo resolvi assinando o Premium.

Então segue os pontos que eu acho legal do Spotify.

Sincronia

Um app para Web, um app para celular e um app para desktop. Todos com a sua conta e se você quiser músicas offline, para momentos em que faltam conexão você tem tudo vinculado a sua conta.

Radio

A radio do Spotify é sempre baseada em músicas que você gosta então apresenta bastante coisas legal dentro do seu gosto. Conheci mutas músicas fazem parte das músicas diárias hoje por conta das rádios do Spotify.

Playlist

Sempre tem coisa legal para se ouvir se você navegar nas playlists, sem contar que tem todos os estilos, gostos e momentos. As músicas do meu casamento foram feitas através de playlists e segue uma de recomendação enquanto você lê o artigo.

<iframe src=”https://embed.spotify.com/?uri=spotify%3Auser%3Aspotifybrazilian%3Aplaylist%3A4nqjPjdSq6hzbCgwOfCHQU" width=”300" height=”380" frameborder=”0" allowtransparency=”true”></iframe>

Conexão Social

O Spotify tem um lado social bem legal. Você conecta no Facebook e tem seus amigos com as músicas que eles gostam e que podem apresentar para você. Só ali naquela lateral já é o suficiente para você conhecer tantas músicas que seus amigos escutam e também gosto parecidos. Ali serve para passar um pouco de vergonha, gosto musical é algo bem pessoal, mas sempre temos um momento de músicas da vergonha.

Alguns pontos ruins

Algumas músicas não sincronizam direito e ficam meio que pausando a playlist. Outra coisa que já não vejo mais isso acontecer, mas acontecia bastante antes era que tinha algo que sempre pausava as músicas.

Ocupa muito espaço do celular, é sério. Esse paragrafo é só para analisar isso, o meu iPhone fica com 6GB ocupado por conta do Spotify. Tenho 10 playlists e alguns álbuns. Mas já deu pra notar que ele cria duplicata das mesmas músicas, por tentar sincronizar músicas em playlist de álbuns que já estão offline.

E agora a critica para a nova feature de Running. A ideia é ótima, super legal e já tentei usar, os BPMs da músicas determinam muito bem o ritmo de uma corrida ou caminhada, mas detona com o seu plano de dados. Ele não funciona isso com as músicas já sincronizada e só executa se estiver online. Se você usar em uma academia com Wi-Fi deve ser bem legal, mas fora de um lugar em que dependa do plano de dados, seu plano tem que ser bom e peço que me indique qual é o seu plano de dados, porque o meu não aguentou.

Apple Music

Já deu pra perceber como o iTunes ficou abandonado, nesse ponto da leitura você já deve ter esquecido que eu usava ele e já gastei dinheiro nele. Mas a Apple gosta de toda a atenção e lançou um serviço para concorrer com o Spotify.

Keynote WWDC 2015

A Apple veio com seu famoso One More Thing e um serviço que “revolucionária” novamente a forma que consumimos música , mostraram como eles gostam de música, como a música faz parte de nossas vidas e apresentaram esse vídeo.

<video src=”http://www.apple.com/media/us/music/2015/758e7234_576d_4c94_8dc0_54994631d0fb/films/history-of-sound/music-history-of-sound-cc-us-20150608_848x480.mp4" >Seu navegador não suporta o elemento <code>video</code></video>

Minha reação foi que dá hora, que vídeo legal e como a Apple realmente mexeu como a tecnologia e mexeu com o mundo da música, realmente deve vir coisa boa. Logo no final do video veio o nome Music. Sério isso? Apple cadê seus nomes tão legais que todos queriam copiar? Morreu junto com o Jobs?

E Tim Cook veio com toda certeza dizendo que eu iria amar esse novo serviço. Eu não amei ele como o Tim Cook disse que com tanta certeza e não mudou a forma como eu desfruto música.

Então veio o Jimmy Iovine e fiquei impressionado com a boa apresentação lembrando dos tempos do Jobs. Logo em seguida ele mostrou a “bagunça” que existe de serviço musical e de clipes de um lado. Seguido de um outro video publicitário. Pensei sério que precisam de outro vídeo? Cadê a apresentação de problema -> produto tão simples como foi no lançamento do iPhone e de outros produtos?

Após o vídeo a primeira coisa que eu pensei, conhecendo o histórico da Apple, eles realmente virão com algo para mudar o streaming, mas gosto tanto do Spotify. No vídeo quando falou que faria streaming de todas músicas do iTunes, na hora eu pensei, é vou abandonar o Spotify, a Apple tem Beattles e AC/DC. Uma rádio como a Beats One vai ser interessante, mas será tudo em inglês, gosto das músicas geradas pelo Spotify, sem ninguém falando e uma Rádio Global 24/7 feita em 3 cidades. Sério é global em 3 cidades? E depois a apresentação do Connect, uma rede social para artistas e fãs, me parece um serviço chamado Ping.


Revolutionary Music Service — Jimmy Iovine
HAHAHAHAHA — Audience At Keynote

Todos sabemos que não é tão revolucionário assim.

Não vou nem comentar muito sobre o Connect, já falei que eles tinham e falharam com o Ping né, vamos pular para o resto da Keynote e o foco a seguir foi o ecossistema e como tudo funciona perfeitamente junto. Então vou pular da parte do Eddy Cue perdido na Keynote para a parte em que testei realmente o serviço.

For You

Recomendações de música com base no seu gosto. Bem eu já usava algo assim com o Genius do iTunes, desde que eu uso iTunes e sempre funcionou bem, para mim isso de For You é o Genius com uma nova roupagem. Nada diferente.

Radio

Vou ser honesto, eu não escutei, acho que falta um grande apelo para a Radio Global em que se resume em New York, Los Angeles e London. E já temos aqui no Brasil algo bem ruim se tratando de Global que são os artistas. Outro ponto a se considerar é que eu escuto muita música offline, logo a Radio não faz sentido para mim.

Connect

Pra mim não passa do Ping, que a Apple nunca lançou no Brasil e fracassou por falta de visão deles mesmo. Para os artistas pode até ser uma boa, mas não acho que eles vão deixar outras redes sociais. O Twitter é uma ferramente excelente para eles, é rápido e conecta várias pessoas.

Puxa na parte dos elogios eu já detonei com o serviço. Então vou falar de outras coisas que eu não gostei. A porcaria dos 256Kbps, o que eu achava lindo antes? Deixou de ser. E experimentei os 320kbps do Spotify e escutando Florence The Machine senti a diferença que fazem esses 64kbps. A música não tem a força quando se está só em 256kbps. Você fica procurando por aquela batida e não encontra. O som parece estar mais baixo e não convence, falha em passar sentimento.

O serviço Connect não agrega nada ao uso e falta trazer um aplicativo web e um para Android.

As playlists foi uma coisa legal, me ajudou a escutar muita música que já estava perdida fazia um tempo e já estavam no meu computador, mas só porque eu abri meu iTunes mesmo. Nada que o Apple Music tenha feito.

O serviço For You não me trouxe o que eu mais queria, a apresentação de músicas novas.

Quando ao design, no iTunes ficou legal. No iPhone ficou confuso e bagunçado, parecendo que falta espaço no iPhone 5S. Acho que no iPhone 6 deve ficar melhor. Fora alguns problemas como um álbum de música que já tem uma música off-line é exibido como se o álbum todo estivesse offline então você tem quer ir baixando música por música.

A interface apesar de bonita, é carregada de informações e colocar vários álbuns juntos ao invés de fazer uma arte para cada playlist ou escolher um álbum como principal me parece um erro de design. Achei bem ruim as introduções a artistas que eu já gosto. E nome da curadoria humana, esqueceram da tão amada precisão do Genius e fica essa indicação de artistas que já escuto e gosto muito tipo o The Killers.

Quanto ao preço não importa se no Brasil é mais barato do que nos EUA, por ser precificado em dólar a conta sempre fecha mais cara que o Spotify e gera um investimento de risco, basta uma alta do dólar e você pagará caro. Falando nisso o dólar está alto.

Resumindo: O serviço Apple Music é só um jeito da Apple se proteger dos serviços de streaming, já que as vendas deles devem ter caído e muito. Não é um serviço intencionado a facilitar ou melhorar algo, porque o serviço quando você está usando não tem nada disso.

Os pontos que eu encontrei são esses. Se você acha que tem algo além para acrescentar, deixe um comentário, uma correção e/ou uma observação. E clica em recomendar abaixo, assim posso saber melhor a opinião de outras pessoas.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.