F: FNDC-MG / Divulgação

Curso Multiplicadores da Democracia reúne comunicador@s em Belo Horizonte

Texto: Eloá Magalhães, Maria Afonso

Ainda pela manhã comunicadores de todas as partes de Minas Gerais começaram a chegar no Othon Palace, localizado no coração de Belo Horizonte. Alguns enfrentaram mais de doze horas de viagem, outros fizeram baldeação entre trem e ônibus, todos dispostos a cumprir uma tarefa importante, traçar meios para emancipação da comunicação. Ainda no saguão do hotel, os olhares desconhecidos se entreolham e aos poucos foram surgindo as primeiras palavras e por fim, de certa forma, adquiriram por empatia uma ligeira afinidade.

Conciliar mais de 50 agendas para participar do curso organizado pelo Fórum Nacional pela Democratização da Comunicação (FNDC) com parceria com a Secretaria de Estado de Direitos Humanos, Participação Social e Cidadania (SEDPAC) não foi uma tarefa fácil. O esforço de cada participante de deixar sua cidade, tarefas nas organizações das quais participam, trabalho e faculdade, demonstra a mobilização das entidades ao abrirem os olhos para as demandas da comunicação.

FNDC TV | Flor Poznanski explica porque é preciso democratizar a comunicação

As informações retorcidas, matérias manipuladas e equivocadas da mídia hegemônica trazem o debate da democratização da comunicação para dentro das organizações, movimentos e coletivos. Inicialmente, o FNDC — principal movimento que reúne entidades da sociedade civil para construção de uma pauta única do tema — tinha o objetivo de que todas as regiões pudessem concorrer ao edital do Plano Nacional de Outorgas, que teve inicio em agosto de 2016.

Porém, devido a problemas internos, as verbas não foram liberadas pela Sedpac no tempo previsto. Além disso, o plano acabou sendo suspenso, um retrocesso entre tantos outros que atingiu/atinge o nosso país. “Mesmo com todos os problemas, o comitê do FNDC continuou lutando pela realização do curso, considerando a importância de democratizar a comunicação nos territórios do campo e cidade,” contou Florence Poznanski, secretária do Comitê Mineiro do FNDC.

Palestras, oficinas e debates aconteceram dos dias 13 a 16 de dezembro. A vivência de cada participante enriqueceu o curso, pois a experiência e realidade de cada território foram apresentadas e colocadas em pauta.

Brainstorm da conversa (não nomeados, quase todos os comentários foram comuns e os não comuns possuem concordância e empatia no grupo):

  • Dificuldade de garantir recursos do governo para comunicação alternativa;
  • Criar núcleos de comunicação na cidade para quebrar a hegemonia dentro dos territórios;
  • Necessidade de espaços como o ‘Multiplicadores da Democracia’ para qualificar os coletivos de comunicação dos movimentos.

A dinâmica e temas das oficinas do curso foram pensados para potencializar a comunicação dos territórios e organizações, assim criando possibilidades para instauração e fortificação de mídias alternativas para o estado. A formação aborda temas como Plano Nacional de Outorga (PNO), Canal da Cidadania, Rádio Web, Sustentabilidade Financeira, Aspectos Jurídicos, Indústria Cultural e Hegemônica e Montagem de Rádios Comunitárias.

O objetivo foi formar pessoas que poderão replicar o curso nos seus territórios e ampliar a quantidade de comunicadores do campo popular de Minas.

“Este curso é importante para eu aprender formas de disseminar, de democratizar em Santa Luzia. Eu sou uma agente que saio daqui hoje e multiplico, faço brotar, nascer mais um canal de mídia, mais uma forma de levar outro tipo de informação para o povo da cidade”, afirma a Lívia Montenegro, feminista, da luta LGBT, moradora de Santa Luzia — Região Metropolitana de Belo Horizonte.