Tormento da poesia

O tormento da minha calmaria
Depois de tanto ser a musa das suas poesias
fiz de você poesia
Em meio ao caos
A adrenalina da nossa existência
Encontramos na soma da nossa loucura
O relento
O sopro de vida
Da morte lenta e sem saída
Que encontramos no esgoto.
Queríamos ser ratos
E cometemos assassinato de nós.
E em meio a encontros e despedidas
Inícios e partidas
Reencontrei a suave loucura de ser sua
De ser minha
De ser meu
De sermos nossos
Pra sermos um.
Eu te fiz paz, W.
E hoje poesia

Me acompanhe nas redes sociais: Instagram / Twitter contatovasconcelos@outlook.com
Coletivo Black Panther DNA.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.