O medo de aceitar que somos uma marca

Alexandre Formagio

Muitas coisas nos assustam nessa vida: a morte, contas a pagar, violência, falar em público e principalmente aceitar que somos uma marca.

Mas marca não é coisa de empresa ou de gente famosa?

Todos somos uma marca hoje em dia

Antigamente sim, mas com o avanço das redes sociais, smartphone, 4g, entre tantos outros fatores e tecnologias, todos passamos a ser uma marca.

Quer fazer um teste? Poste algo ofensivo em seu perfil e veja quantos minutos demora para seu rosto/perfil estar rodando a internet. Todos vão te conhecer.

Da mesma forma, faça um trabalho MUITO bacana ou um texto sensacional e veja o mesmo viralizar em instantes.

Para bem ou para o mal, todos somos uma marca.

E quer saber quais são alguns dos problemas de não entendermos isso?

Vou explicar cada ponto com mais carinho.

Falarmos sobre qualquer coisa de qualquer forma sem nos importarmos com o impacto.

Muita gente ainda não levou a sério o impacto das redes sociais no dia a dia. Ainda acham que seu perfil é privado e podem falar o que quiserem. Mas a cada dia vemos mais e mais pessoas sendo processadas por falarem ou fazerem coisas inapropriadas.

Por mais que seu perfil seja fechado, existe a tecla "print screen" que gravará esse momento para sempre.

Na Europa o Google começou a aceitar pedidos de exclusão de certos resultados. Mas até chegar no Google (se você morar na Europa, claro), sua foto já rodou o Instagram, Linkedin, Twitter, jornais e etc.

Não ter noção que você é uma marca pode custar muito caro para sua carreira e vida. Você está disposto a pagar esse preço para falar o que quiser?

Deixamos pessoas que trabalham a marca estrategicamente ocuparem espaços que poderiam ser nosso.

Todos os dias vejo pessoas frustradas porque alguém tomou seu lugar em algum projeto e ela não merecia essa oportunidade. Poxa, ela só fala, ela não faz nada. Seu trabalho nem é grande coisa.

Sinta-se abraçado. Eu sei o que é essa sensação. Provavelmente todos já sentimos isso em algum momento da vida.

Mas eu entendi que marketing pessoal é muito importante e que não adianta chorar e querer mudar isso. Muitas vezes eu mesmo compro ou contrato algo pelo nome/fama. Você não?!

Ter menos fontes de renda. Você vive exclusivamente do trabalho braçal do dia a dia.

Hoje você vive apenas da sua renda do trabalho atual? E se você pudesse ensinar outras pessoas e ganhar por isso? E se você pudesse viajar ensinando outras pessoas? E se você desse consultoria?

As pessoas compram profissionais e marcas. Talvez você tenha uma super capacidade. Mas se você entrar numa escola que tem a pessoa X dando aula. Pessoa que já ganhou X prêmios, deu 65 palestras pelo mundo, lançou 2 livros, tem 2000 comentários positivos no Linkedin e em seguida entrar em outra escola que tem você como professor, uma pessoa que trabalhou nos lugares X.. e é isso seu currículo, com quem você gostaria de aprender?

Eu sei que você deve estar com aquele pensamento de "Ahhhh mas o Fulano(a) não é tudo isso, eu sou melhor que ele". Eu sei, eu sei, mas se eu não tenho referências o suficiente de você e tenho da outra pessoa, como você acha que vou escolher no final?

A IBM e outras empresas já estão utilizando inteligência artificial para buscar referências dos candidatos. E isso inclui como eles falam e se posicionam em seus redes sociais.

A velha questão que sempre usamos: se eu fosse no Google e outras redes sociais e buscasse seu nome, o que eu encontraria?

Nada? Nenhum artigo publicado? Nenhuma palestra no Slideshare? Linkedin desatualizado? Instagram fechado? Facebook apenas tirando sarro de tudo?

Como contratante, sinceramente você se contrataria? A outra pessoa que está concorrendo a vaga já fez N artigos sobre a área. E bom, os artigos estão bem escritos e parece que a pessoa entende do que está falando. E agora?

Eu sei que tudo isso é assustador. Trabalhar a marca é se expor. Mas é por isso mesmo que é importante você entender o poder disso e fazer um planejamento da sua marca.

O que você falar? O que vai escrever? Com qual frequência? Quais redes são boas para a sua área? Como você vai deixar seu perfil mais interessante?

Todos os dias temos milhares de pessoas disputando a mesma vaga, a mesma verba, a mesma consultoria, a mesma aula. Como você vai mostrar seu trabalho e ao mesmo tempo se enquadrar no que você acredita? Tudo isso sem ser CHATO e marqueteiro, afinal ninguém gosta de pessoas assim.

Isso é totalmente possível. É só se conhecer e planejar. E vamos começar a falar disso daqui para frente.

Enquanto isso, comece a pensar porque você não gosta da ideia de ser uma marca e quais seus preconceitos com isso. A ideia é desmontar tudo isso nos próximos artigos. Um passo de cada vez!

Vamos nessa?

Alexandre Formagio

Written by

Co-fundador da Somos Younique // Transformo o seu nome em um negócio lucrativo e reconhecido 🤘

Welcome to a place where words matter. On Medium, smart voices and original ideas take center stage - with no ads in sight. Watch
Follow all the topics you care about, and we’ll deliver the best stories for you to your homepage and inbox. Explore
Get unlimited access to the best stories on Medium — and support writers while you’re at it. Just $5/month. Upgrade