Pesquisa-Ação do Tempo

Este artigo (em construção permanente) tem por objetivo registrar as pesquisas, as ações e as pesquisa-ações do Forno Harmônico na relação de eventos no espaço-tempo: São João del Rei, janeiro, 2017, ano 5
Incubadora, Aceleradora, Rede, Aplicativo, Software Livre, Gestão, Produção, Divulgação, Distribuição, Vendas, E-Comerce, Crowdfunding, Financiamento Coletivo, Política Pública, Incentivo à Cultura…

Compartilhar Vida Coletiva: Tempo, Trabalho, Moradia

A rotina alternativa de trabalho e pesquisa do instituto é de tal maneira alternativa que não é possível falarmos de rotina. O Forno enquanto incubadora busca compartilhar o conhecimento e ensinar metodologias que auxiliem o empreendedor ou artista a criar, planejar e executar seus projetos com sustentabilidade nas 4 dimensões (cultural, social, ambiental e financeiro) #fluxonomia4d.

Simulacros / Modens

Tempo: é recurso finito, escasso e incerto. É moeda sem a qual você não vive. Tempo é dinheiro? E dinheiro é riqueza? Rico é quem tem tempo?

Laboratório de Rede

Aplicativo de mapeamento: Pessoas, Espaços, Grupos e Eventos

Gestão de Eventos

Aplicativo de gestão de eventos: intervenções, perfomances, micro-eventos. O Forno oferece ferramentas que auxiliam na gestão do tempo. O projeto passa por uma fase de incubação, na qual o artista/grupo recebe uma consultoria/diagnóstico de seu projeto abrangendo questões de imagem, comunicação, tecnologia, relacionamento, produção, competências, finanças e infraestrutura. O projeto é dividido em 7 tempos, o que proporciona que o artista enxergue todos os eventos que necessita realizar ao longo do processo para realizar o seu projeto no tempo 7. O método é simples e lúdico, pode ser ensinado para crianças de 6 a 96 anos, não tem pre-requisitos e pode ser aplicado na gestão de projetos pessoais, profissionais ou comunitários.

Comunicação

Central de comunicação, gestão e cobertura colaborativa de eventos. O Forno enquanto mídia visa mostrar o que a tradicional não interessa cobrir, a alternativa não alcança e o povo não vê e não sabe que existe.

Prioridades

  1. Criar mídias criativas e alternativas
  2. Conectar a cultura e a comunicação
  3. Promover um modo de vida desejável, harmonioso e justo
  4. Aplicando modelos co-construídos e aplicáveis de pesquisa e ação
  5. Fomentar e criar micromercados de troca de produtos ou serviços
  6. Estimular o fluxo de conhecimento a partir da troca de multimoedas
  7. Criar e apoiar a produção de intervenções, perfomances e microeventos
  8. Formar grupo de pesquisa: economia criativa, colaborativa, compartilhada, artivismo, ativismo delicado, comunicação não-violenta, Inteligência SocioCriativa, Desejável Mundo Novo, Fluxonomia 4D, TEvEP

Recursos Culturais (enxergar +potência -carência)

  1. As artes
  2. Técnicas, habilidades, experiências
  3. Saberes, fazeres
  4. Artistas, Coletivos, Instituições

Recursos Ambientais (uso criativo e compartilhado dos espaços)

  1. Os espaços públicos por natureza (praças, largos, coretos, etc)
  2. Os equipamentos culturais (teatros, museus, bibliotecas, cinemas, etc)
  3. Os recursos tecnológicos (computadores, celulares, tablets, etc)
  4. Os recursos naturais (montanhas, lagos, cachoeiras, etc)

Recursos Sociais (novas políticas públicas e formas de liderança)

  1. Os representantes (conselheiros, vereadores, lideranças comunitárias, etc)
  2. Os modens e conectores (gestores,produtores,empreendedores sociais,etc)
  3. As instituições: SESI, SEBRAE, SENAI, SENAC, ACI, CDL, FIEMG)
  4. As instituições culturais: Orquestras, Associoções de bairro, coletivos, etc)

Recursos Financeiros (recursos monetários e não-monetários)

  1. Fundos / Políticas Públicas
  2. Leis de Incentivo
  3. Crowdfunding
  4. Venda/Troca de produtos e serviços

Demandas

  1. Conhecer: Articulação e representatividade
  2. Confiar: Confiança e reciprocidade. Fazer e falar na mesma intensidade.
  3. Conectar: Colaboração e Compartilhamento
  4. Comunicar: Clareza, agilidade, eficiência e transparência.

Paradigmas

  1. Ter -> Ser
  2. Possuir -> Usufruir
  3. Consumir -> Cuidar
  4. Competir -> Colaborar

Características desejáveis do projeto

  1. Estímulo a hábitos de vida de baixo impacto
  2. Valorização da diversidade cultural e espiritual
  3. Governança circular
  4. Saúde integral, preventiva
  5. Educação transdisciplinar, holística
  6. Comunicação e ativismo global e local
  7. Estratégias de apoio familiar-comunitário (moeda social/rede de trocas)

Impactos desejáveis do projeto

  1. Reunir e reconectar as pessoas ao lugar onde vivem
  2. Desvincular ‘PIB e crescimento econômico’ de ‘bem-estar e felicidade interna bruta’
  3. Resgatar valores e práticas nativas e ancestrais
  4. Propor ótica educional holística e experimental

Ideologia

  1. Vida em harmonia com a natureza e observando as suas leis
  2. Convivência e correção fraterna (NENA — Nós Erramos, Nós aprendemos)
  3. Estado de consciência elevado e solidário
  4. Escuta-ativa, pensamento sistêmico, paciência e reflexão

PPP — Pausa para Pensar

“Cada qual considera bárbaro o que não se pratica em sua terra.” Montaigne
Passamos por uma era de mudanças, agora passamos por uma mudança de era. Da monarquia (centralizada) à república (descentralizada)…
Da república à sociedade em rede (distribuida). 
Horizontalidade e colaboração. Em rede distribuida, todos os pontos se conectam a todos os outros pontos. Todo mundo é produtor e consumidor de conteúdo. Isso causa uma série de mudanças.

A economia será baseada em bens intangíveis e renováveis, que se multiplicam com o uso, como a arte e a tecnologia.

Creio que o dinheiro também ficará cada vez mais escasso e concentrado nas mãos de poucos, e que as sociedades com o senso de comunidade mais aguçado irão criar suas próprias moedas e aprenderão a retirar a subsistência de sua própria terra a partir de permutas e da mão de obra disponível.

A economia do futuro é compartilhada: iremos compreender que não precisamos ter e consumir. Tudo o que precisamos é usufruir e cuidar.

Essa mudança chave de comportamento pode nos salvar do sério risco de extinção que corre a espécie humana devido ao consumismo-hedonismo capitalista e a busca desenfrada por desenvolvimento a partir da produção-destruição.

A economia do futuro é colaborativa: iremos perceber que só trabalhando juntos é possivel dar conta de tanto trabalho pra construir o futuro desejável (e não o futuro provável nem o reativo)

Essa mudança chave de pensamento irá nos trazer de volta a noção de comunidade, fazendo-nos repensar nossa forma de estar no mundo não mais voltado para o ‘consumo’ mas sim para o ‘bem comum’.

PS: Muitos desses pensamentos não são meus, eu estou apenas dizendo com minhas palavras o que tenho ouvido mentores e especialistas dizerem ao longo desses 3 anos de pesquisa. Para fechar então e dar os devidos créditos a muitas dessas ideias as quais eu apenas reverberei, seguem alguns conselhos de minha musa inspiradora Lala Deheinzelin:

1. Pense em algo que motiva você e possa estar em um futuro desejável (que pode ou não parecer improvável).
2. Busque ferramentas para realizar esse trabalho de forma diferenciada.
3. Pense em quem pode fazer isso junto com você. Não há como mudar o mundo sozinho.
4. Avalie o alcance que isso pode ter. Serviços e produtos valorizados são aqueles de alcance exponencial.
5. Crie!
6. Insista porque alguns processos levam tempo.

e o sétimo conselho é do mestre Eduardo Shana:

7 Invista bem o seu tempo, pois é um recurso finito, incerto e não renovável.

Créditos:

Eduardo Shana — criador do TEvEP e fundador da HomoSapiens Escola de Planejamento — www.tevep.net

Lala Deheinzelin — futurista pequisadora pioneira em Economia Criativa — http://laladeheinzelin.com.br/


Pedro Lago, ou palhaço Sinhé, é artista, massoterapeuta, músico e gestor cultural, pesquisador autodidata pensa (fora da caixa) em Economia Criativa desde 2012 quando demitiu-se do banco e passou a dedicar-se exclusivamente a palhaçaria, a música e a gestão de projetos culturais. Fundou e encontrou na AMASSO-REI (Associação de Massoterapeutas de São João del Rei) um lugar seguro para oferecer ajuda concreta a quem precisa se cuidar. Integrante-fundador do Laboratório de Inteligência SocioCriativa com André Martinez e concluiu o curso de formação em Fluxonomia 4D com Lala Deheizelin. Em 2015, formou-se na HomoSapiens — Escola de Planejamento e é gestor de projetos certificado pelo IPMA-Brasil no método TEvEP. Atualmente é Diretor de Planejamento do Instituto Spix & Martius.


Imagina Ação

O Forno amassa sonhos e projetos. A massa sonha… amassa e assa! Tem pão pra todo gosto, raça, classe… Com teatro, música, poesia… A beira do Forno, à lenha, todos podem sonhar e ser uma só… Esperança! Uns aram a terra, outros jogam sementes, outros regam, enquanto outros colhem, moem, trituram, dibulham, torram, secam, amassam, assam, comem, distribuindo na medida da ‘fome de que’ de cada um.

Inspira Ação

O Forno é uma incubadora de projetos! Ou uma contadora de histórias de futuro desejáveis, uma fábrica de idéias, um laboratório de diálogos e experimentação, uma rede de produção cultural colaborativa, um movimento sociocriativo em defesa da democracia e em prol do bem comum, uma ferramenta de gestão e planejamento, uma co-inspiração do bem, um movimento livre, aberto e não-secreto, um partido inteiro, um fundo de investimento, uma aceleradora de empreendimentos criativos, uma escola da vida, tudo isso e muito mais!?…

2017 — Projetos no Forno

EM ANDAMENTO

  • TEvEP em São João del Rei em 2017:
  • NA UNIVERSIDADE a) estabelecer parceria com UFSJ e Conservatório de Música a.1) oferecer oficinas para professores, bolsistas e integrantes das Empresas Juniores no Anfiteatro do Campus Santo Antônio b) estabelecer parceria com Pró-Reitoria de Extensão b.1) oferecer oficinas de planejamento e gestao de projetos em incubadoras itinerantes levando o “ônibus-hacker” da UFSJ para as comunidades
  • NA ESCOLA a) oferecer oficina/intervenção na Escola Briguenti Cesari, Escola Padre Pio e mais 1 escola municipal em área de risco e que tenha um projeto pedagógico aberto e receptivo a proposta de ensinar seus alunos a empreender projetos e ações artísticas e comunitárias
  • NAS COMUNIDADES a) oferecer palestra, oficina e imersão para as lideranças de comunidades quilombolas e nos povoados, distritos e periferia da Grande São João, com apoio dos projetos de extensão da UFSJ
  • NAS EMPRESAS a) Oferecer palestra gratuita para a ACI-Del Rei e Sindcomércio, convidando a todos os empresarios e trabalhadores do comércio para o auditorio Ignácio Zozimo de Castro para uma palestra sobre planejamento do seu negócio para o ano 2017 em meados de janeiro.
  • NA PREFEITURA/ÓRGÃO PÚBLICO a1) Oferecer palestra no salão nobre da prefeitura convidando aos lideres e gestores de associaçoes, cooperativas, ong’s e instituiçoes de interesse público na cidade!