Aquele alguém que eu era

Cadê aquele cara do beijo quente?

Cadê aquele cara que marcou minha pele na primeira vez?

Cadê aquele cara do poema intenso?

Cadê aquele cara que fiquei na embriaguez e levei para a sobriedade?

Aquele cara não está mais por perto mesmo estando perto. Sinto saudade mesmo na iminente união. É um sentimento de solidão mesmo na presença. É uma dor incontrolável de me sentir desprezada quando aquele cara é o centro do meu universo. Mas aquele cara só durou duas semanas e meia, e já fazem oito que eu não sou mais aquela mulher que costumava ser.

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Luísa Cordeiro’s story.