Coração vagabundo

Sem caminho no mundo

Dando a quem quiser ficar

-Ou quiser passar-

Nesse inverno decadente

O coração tá doente

Vou fazer um chazinho pra melhorar

Ele vai me aquecer

Dentro de mim vai arder

Mas pra curar tem que doer

Das feridas internas

Das facadas e das balas

Que os homens insistem em disparar

Quando será, minhas deusas, que eles vão perceber

Que pra amar não precisa bater?

Pro coração vagabundo

Se encontrar pelo mundo

Basta que ele ache você

Besteira!

É mentira dizer que tu és minha cura

Que tu és minha bússola apontando meu norte

Você foi horizonte infinito

Daquela praia que nós não desfrutamos

Onde vimos o sol, tão bonito

Ir deitar-se com o mar

Apagando seu brilho e entregando-se a própria sorte

Ao ser trocado pelo luar

E eu abri meus olhos

Tentando te encontrar

Com as pupilas dilatas

Tentando te enxergar

Mas eu nunca mais, meu bem

Encontrei você de novo

Porque você saiu e esqueceu o caminho de volta

E eu não vou fazer mais rimas ridículas

Porque nada combina com a desmedida dor

Que ficou

Do coração

Que, de doença, virou vagabundo

De

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Luísa Cordeiro’s story.