Ei, você…

É, você mesmo.

Você, que saiu às ruas abraçando árvores, canta “Imagine” como se fosse o Hino Nacional brasileiro e se diz representante da geração progressista.

Você, que xinga Trump e aplaude os “antifa” agindo como a Valesca Popozuda, dando “tiro, porrada e bomba” em todo mundo.

Você, que fala em direitos humanos mas diz que o único diálogo com nazis é um belo porrete nos fundilhos.

É, sim… é com VOCÊ que eu estou falando.

Se você, que fala tanto em coisas bonitas mas defende calar seus inimigos, age dessa forma, não precisa dizer mais nada.

Você, sim, VOCÊ… é um hipócrita.

Um tremendo de um hipócrita, que fala em boas ações, mas age como um criminoso; um hipócrita, que defende punições severas para os que são contra seus pensamentos, mas ações moderadas contra bandidos que fazem o que você gosta.

Você… sim, você é um hipócrita.

E sabe o que hipócritas deveriam fazer? Pegar suas palavras, belíssimas, suas ideias retóricas, e… engolir. Fundo.

“Pede pra sair, 02, que tu não é homem.”

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.