Qual é o sentido da vida?

(Pensando até doer: o que penso quando penso)

Foto: istock

Não entendo porque até hoje as pessoas questionam o sentido da vida, pois, a resposta é tão lógica.

A palavra Sentido implica direção, sendo ela qual for ou até mesmo o ato de sentir e perceber. Mas a proposta qualificada junto a Vida, não faz muito sentido se quero compreender a ontologia da palavra vida, referindo a natureza dela própria. O “sentido da vida” dirá respeito então a direção da vida, que pode ser para qualquer lugar neste tempo e espaço.

Mas Vida é o tempo de existência ou funcionamento de algo ou alguém (!). Sendo associado a natureza que preconiza nascimento e morte. Portanto a própria palavra Vida é um fim em si mesma. Existência! e não morte!

Mudemos o rumo para outro contexto que pode justificar a pontuação inerente ao “sentido da vida”, antes de findar minhas observações.

Entendo que outros termos se enquadrariam melhor como significado ou mesmo propósito.

Significado é uma relação de apreço, algo que representa. Assim, o ‘significado da vida’ vai representar algo que remete a relação de apreço dada pelo indivíduo ou pelo coletivo ou coletividade. Assim, deterá um peso distinto conforme o olhar e experiência coletiva ou individual.

Mas esta ainda não é a ideia que todos procuram.

“Propósito da vida”. Propósito é aquilo que se quer alcançar, a intenção de realizar, assim, o propósito da vida é entendido como algo individual, com a intenção ou a noção pré concebida do que o indivíduo vê como vida. A decisão exclusiva da ‘intenção’ de se realizar.

Esta ainda não é a lógica da coletividade ao pedir por um ‘sentido da vida’.

Mas porque as pessoas pedem um sentido para suas vidas, se elas não entendem nem o que a frase remete?

A lógica correta da Vida, é a própria vida.

O ser vivo, vive, detém vida, logo, o propósito é VIDA. Aquilo que a biologia apõe sobre vida, sendo ser que vive.

Logo, o sentido, significado e propósito da vida é VIVER, ou mesmo sobreviver.

Portanto, chega de pontuar coletivamente e incorretamente a frase “o Sentido da Vida”. Ou você descreve imputando o entendimento verdadeiro da Vida ou não fica escrevendo o que você mesmo não entende.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.