Todo carnaval tem seu fim, e o que começou dias antes dele, acaba agora.

Foram três meses de sorrisos que preencheram meu coração, diversas aberturas de porta, piscadas que só a gente sabia o que significava, abraços desajeitados, noites mal dormidas, centenas de bitucas de cigarros e não da pra esquecer das vestimentas rosas nas quartas-feiras.

Todo dia uma história nova, uma descoberta, uma zoeira, um medo.

Fomos regadas a mojitos, cerveja e comida boa, junto também de dois corações machucados, porém, apaixonados. Eu sei, eu bati pé e disse que meu ultimo desejo era uma conta conjunta no Itau, mas tu sabia que esse era o meu primeiro e único desejo o tempo todo, a quem eu queria enganar?

Nem de boas idas e vindas de Uber essa história foi feita, teve aqueles momentos — e intensos momentos — de desentendimento, duas almas teimosas e machucadas, que obviamente teriam suas restrições e medos, mas eu sabia, e eu sempre dizia pra mim mesma, que não ia ser isso que ia me fazer desistir de ti.

Medos, acho que essa foi a palavra que mais escrevi aqui. Esses danados senhores que fizeram esse pequeno enlaço chegar ao fim. Por medo de demonstrar totalmente o que sentia, por medo de gritar e dizer que eu queria botar todos os limites que tu concordasse, por medo de te pedir pra ser parte maior da minha vida, eu te perdi. E tu foi sem pensar duas vezes, foi cuidar de ti, e sempre me lembrando de eu cuidar de mim. E por um senhor acaso da vida, eu cruzei com essa frase:

Pessoas que se separam e depois voltam: acho isso incrível porque você sabe que é verdadeiro, mas precisa de tempo para ser você mesma, para crescer. Se você cresce ligada a outra pessoa, você nunca chegará realmente ao seu próprio ser sólido. Então, eu me tornei sólida, ele também e juntos, conseguimos ser duas pessoas crescidas. Não é você pegar uma metade e outra metade e fazer um todo.” — Miley Cyrus

Ela assim tropeçou e caiu em cima de mim, e eu que jamais iria dar o braço a torcer tão cedo to aqui pagando língua e dizendo: Porto, você tinha razão.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.