o que acontece quando a gente desiste?

os dias são iguais. o sol nasce, as nuvens deslizam pelo céu azul, a cidade levanta em horários desiguais, e refazem suas rotinas diárias. os pássaros voam sobre os prédios. os ratos correm nos bueiros, pessoas pedem ajuda, pessoas atrasam, pessoas nascem. todo dia é sempre igual. tem dia que chove, mas tem dia que o sol machuca a pele. tem dia que comemos muito bem, e dias que juramos comer menos. tem vários dias assim, e vários dias assado. e vários dias que não são memoráveis. há alguns dias que a tristeza bate, pra esses, uma música triste embala o momento. os dias bons parecem pedras preciosas, estão mais raros e difíceis de conseguir. eu já não lembro dos dias bons, mas isso não é sobre mim. os motivos. são inúmeros e tantos. e são pausas. períodos. momentos em cinza que pretendo deletar da memória física. às vezes eu queria ter apenas um desejo, como nos filmes. algo que me fizesse não querer, não desejar, não almejar, não sonhar. contentar-se, isso. acho que seria fácil, até porque somos finitos. não iria demorar. se for parar pra pensar, já estou morto pelas mudanças que fiz pra ser aceito. de certa forma, não sou mais eu. eu queria dançar sem medo mais uma vez pelo salão cheio. eu queria correr pela praia sem vergonha como quando tinha 6 anos e corria atrás de uma bola. eu queria tanta coisa, mas isso não é sobre mim. as pessoas crescem, e mudam, e se matam aos poucos na necessidade de se adequar em uma sociedade moralista e conservadora. qualquer diferença que você tenha, é tido como um ato criminoso perante costumes centenários. os pais, os tios, os policiais, os profissionais, os médicos. todos acordam e vivem seus dias. são todos iguais, os dias. os bichos e as árvores, as flores também. mas você para, e pensa naquela virgula que separa tudo que você tenta encaixar. e insiste, e insiste e, insiste. desistência. vamos acelerar as coisas. desistências. inúmeras formas de tentar, mas desisti. e os motivos? continuarão os mesmos. os pais? amigos? continuarão os dias. os pássaros voarão até a velhice. os ratos até uma armadilha próxima. mas você desistiu. o sol continua nascendo, mesmo que pra iluminar toda forma errada que existe no mundo, ele some, mas não desiste. as chuvas acontecem, assim como os dias que as roupas leves arejam nosso corpo com a maresia da praia. mas você desistiu. e estou tentando entender o porquê. eu já tento há tanto, e já quase desisti por menos. as coisas ficam e vão, querida.