Jovem brasileiro vai Participar de programa no Laboratório de Inovação de Harvard

Há cinco anos, depois de voltar de um intercâmbio cultural nos EUA patrocinado pelo Governo do Estado de São Paulo, o estudante Iago Bojczuk estabeleceu uma meta que parecia impossível de se realizar na época: estudar em uma universidade americana. Depois da primeira tentativa frustrada de conseguir uma bolsa integral no exterior, ele conseguiu aprovação em mais de sete universidades públicas no Brasil e se matriculou duas vezes na USP, antes de deixar o país. Hoje ele é aluno de graduação na Universidade de Oregon, nos EUA. O estudante de 22 anos irá para participar do Programa de Líderes Globais Hive que irá acontecer no famoso Laboratório de Inovação da Universidade Harvard e irá reunir aproximadamente 150 líderes durante o mês de abril.

Iago no campus da Oregon University, localizada em Portland, EUA.

Antes de se mudar para os EUA, Iago estudou o ensino médio em escolas estaduais no estado de São Paulo, fazendo parte em uma escola rural e a outra parte em uma escola técnica do Centro Paula Souza. “Sempre tento mostrar que várias das adversidades que um aluno encontra no sistema público de ensino brasileiro não devem se tornar uma sentença final para ninguém, já que no fim das contas os problemas têm o poder de nos tornar mais resilientes. Obstáculos assim nos fazem enxergar coisas que outras pessoas não podem ver, e é exatamente aí que acabamos permitindo a oportunidade e o desejo de mudança nascerem”, afirmou.

O programa Hive visiona soluções criativas para os grandes desafios da humanidade. Para isso, ele conta com uma rede de membros globais que são líderes, acadêmicos, CEOS, escritores, investidores, empreendedores, políticos, cientistas, filantropos, artistas, jornalistas, etc. Em edições anteriores o evento até contou com a participação de astronautas da NASA e uma medalhista olímpica. O engajamento começou graças ao envolvimento com empreendedorismo de um estudante de MBA da Harvard Business School que organizou a primeira edição na cidade de São Francisco, Califórnia, coração do vale do silício. “Estou muito animado para conhecer pessoas que pensam de forma criativa e querem impactar o mundo usando a paixão pela inovação e cooperação. Acho que vai ser fantástico poder aprender com pessoas que têm muito mais experiência profissional e acadêmica que eu”, comentou ansioso.

Almoço com o Ministro da Integração Nacional Gilberto Occhi, que representou a presidente Dilma Rouseff e o Brasil na cúpula da ONU.

Vindo de uma família humilde da cidade de Atibaia, no interior de São Paulo, e tendo estudado a vida inteira no sistema público de ensino, Iago recebeu a carta de admissão para estudar no Honors College da Universidade de Oregon, que é conhecida como a faculdade de honra mais antiga dos EUA, no fim de 2013. “Sem ter tido a oportunidade de viver uma realidade diferente da minha até o momento em que embarquei num avião pela primeira vez em 2011 graças ao Centro Paula Souza, talvez eu nunca imaginaria o universo de oportunidades e de pessoas que hoje me inspiram,” disse. Na instituição americana com quase 25 mil alunos, o brasileiro foi reconhecido e premiado pelo Emerald Media Group como um dos 25 alunos em sua universidade com o potencial de mudar 2014. Além da fama do seu time de futebol Americano (os “Ducks”), a mesma universidade já teve dois ganhadores do prêmio Nobel. Na lista de ex-alunos está o nome do atual presidente da Universidade Columbia na cidade de Nova York, Lee Bollinger, e o fundador da Nike, Phil Knight, considerado pela Forbes em 2015 como a 15ª pessoa mais rica do planeta.

Secretátio Geral das Nações Unidas Ban-ki Moon, que se encontrou exclusivamente com os jovens delegados durante a cúpula.

No Brasil, Iago também é um dos 29 brasileiros no e-book do Universitários Acima da Média “Vidas que Inspiram”. De acordo com o diretor de projetos da ONG François Marques, o grupo Universitários Acima da Média (UAM) tem como missão provocar, inspirar, capacitar, conectar, desafiar e desenvolver o potencial dos jovens universitários brasileiros. “Os jovens selecionados para compor o time de histórias inspiradoras têm um perfil em comum: é um jovem diferenciado que tem uma mentalidade empreendedora e que busca realizar seus sonhos e que não colocam limites para realizá-los. É um jovem inconformado que sempre busca evoluir e impactar o mundo com suas ações e que ousaram ser protagonistas de suas vidas”, explicou.

Encontro com a primeira dama Akie Abe, esposa do primeiro ministro do Japão Shinzo Abe.

Com interesses acadêmicos diversos que vão desde comunicação intercultural à educação e ciência, Iago já acumulou experiências em vários programas internacionais, incluindo a participação em um programa de liderança global em Amã, na Jordânia, e outra no Fórum da Criança e do Jovem durante a 3ª Conferência Mundial da ONU sobre a Redução do Risco de Desastres, que aconteceu em Sendai, no Japão. “Conhecer tantas pessoas inspiradoras ao longo dos últimos três anos acabou me levando aonde eu jamais imaginei que um dia poderia chegar”, conta Iago ao lembrar a experiência de cumprimentar pessoalmente o Secretário das Nações Unidas Ban-Ki Moon e a primeira dama do Japão Akie Abe, enquanto estava na cúpula da ONU em março de 2015. “Mas acho que isso não diz muita coisa, pois há outras pessoas que precisam de apoio para encontrar o seu potencial verdadeiro para então poder mudar a realidade de outras pessoas. Não podemos desperdiçar ninguém”, contou o estudante.

Durante o programa em Cambridge, Massachusetts, os participantes vão ter que criar um plano de ação para diferentes etapas da vida, aprender ferramentas e hábitos que podem ajudar a fazer um impacto maior, e, claro, vão se juntar à uma rede de de colaboração de pessoas com diferentes tipos de conhecimentos, interesses pessoais e experiências profissionais que vão servir como mentores. Juntamente com o empoderamento por meio liderança e inovação, os participantes primeiramente discutem problemas globais em áreas como saúde, educação, economia, bem-estar e meio ambiente. Depois disto, os participantes vão ter a oportunidade de praticarem o autoconhecimento por meio de atividades como meditação, criação e discussão. “Acho que o programa me vai me ajudar a me auto-avaliar e, principalmente, repensar as formas de colaboração com outras pessoas no Brasil que, assim como eu, um dia não sabiam por onde começar”.

Encontro com outros delegados durante a Terceira Conferência Mundial da ONU para a Redução de Riscos de Desastres em Sendai, Japão.

E a motivação e perseverança do jovem não acabam por aqui. Em agosto deste ano, Iago vai fazer um estágio como instrutor para um programa de verão para alunos do mundo inteiro que irá acontecer na Universidade Yale, nos EUA, e depois se mudará para Argentina por um mês para ser voluntário para uma ONG, em Buenos Aires graças a uma bolsa concedida pela fundação Omprakash. “Para mim, o primeiro passo foi buscar o que me fazia feliz. Depois, foi perceber que o impacto que você faz em outras pessoas é a força para alimentar uma rede de colaboração que vale muito mais do que qualquer título ou posição social. Mas isso deve começar dentro de cada um. Motivação e a curiosidade são coisas poderosas e essenciais. Espero no futuro ajudar o Brasil neste sentido”, afirmou