Snapchat

Saiba um pouco de como foi minha experiência ao chegar nessa “nova” rede social que vem agitando os jovens.

Era setembro e eu com aquela velha mania de querer alimentar minha “nerdisse” me mantendo informado sobre todas as novidades na comunicação tecnológica.

Já sou um vovô digital. Sou do tempo do Twitter , do finado orkut, do msn, icq, etc… mas isso não fez de mim um matusalém digital. Acreditem, ainda tem gente enviando gifs via e-mail e cobrando resposta.

Como já disse em um texto anterior, essa minha obsessão pela comunicação me trouxe para o mundo digital com muita força.

Hoje em dia, com exceção dos colunistas e blogueiros dos grandes portais, manter uma participação regular de um determinado público em um blog é uma tarefa muito árdua.

Aí entra o papel das redes sociais! Fazer uso dessas ferramentas é indispensável para que seu conteúdo chegue a seu público. Seguindo essa premissa, eu fui pouco a pouco me integrando a essas plataformas e entendendo um pouco de como elas funcionam.

Dentre todas as redes que conheci, a única que eu tive uma grande dificuldade em entender foi justamente a que dá tema ao texto de hoje. Quando fiz minha conta no Snapchat eu me deparei logo de cara com aquela sensação de envelhecimento. Mais como? Justo eu que sempre fui o “senhor tecnologia” ? O que explicaria isso?

A explicação é bastante simples: a comunicação estava mudando!

Eu não queria aceitar que estivesse ficando obsoleto, fui ruim. Não voltei lá durante um tempo me sentindo frustrado e até falando mal da rede. Dai, ao conversar com meu amigo Lucas Pessanha sobre o snap, fui percebendo como as coisas funcionavam.

Reativei minha conta e fui ver como funcionava esse mundo das fotos e vídeos fantasmas. Esses que se “autodestroem” após serem visualizados. Confesso que os primeiros dias foram agoniantes, eu tinha dificuldades para utilizar os filtros, textos, emojis – meu Deus! Como eu mudo a cor dessa fonte? – era isso que eu repetia incansavelmente dia após dia.

Procurei vídeos, tutoriais, e hoje em dia a primeira coisa que eu faço ao acordar, antes até de conferir as notícias ou e-mails eu confiro o Snapchat.

Isso não é a toa, basta olhar as estatísticas para podermos constatar que o Snapchat vem crescendo vertiginosamente. Depois do facebook, só da ele ! A prova é a tentativa do facebook de comprar o Snapchat, assim como fez com o WhatsApp e com o Instagram. E agora com a implantação de uma cópia do serviço oferecido pelo snap no messenger isso fica mais claro.

Se você, assim como eu, também está tendo dificuldades pra entender essa rede que vem crescendo junto com toda uma geração que a abraçou rapidamente como uma alternativa ao facebook que estava sendo invadido pelos seus pais. Minha recomendação é: não desista! Vale a pena insistir um pouco.

TWITTER FACEBOOK INSTAGRAM BLOG

👻: franklincouto

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.