Registro sobre uma reunião com o Tema: Religião e Violência

Quando temos a oportunidade de conversar coisas incríveis acontecem.

Neste final de semana após várias reuniões de um coletivo sobre com o nome de Espiritualidade libertária que rola em Campinas fizemos um encontro com o tema Religião e Violência usando como base um reportagem sobre o Papa Francisco. Colocarei aqui uma breve crítica que fiz:

Ao vincularmos a imagem de do Islamismo como uma religião violenta faz com que sua “teologia” seja constituída de conceitos violentos, assim sendo, basta acreditar/seguir esta que irá se tornar uma pessoa violenta (fica legitimado o caráter da religião como transformadora).
O ponto de confronto passa a ser na minha opinião, existe o senso que Deus é Amor (ligado a experiencia alegres e ou com visões românticas) e este conflita com a ideia de violência (pelo senso comum), assim sendo, falar que “o Islã é um religião violenta” é constituir o cristianismos como oposto e legitimar a ação de converter islamicos ao discurso religioso do cristianismo.

Algumas observações: 1- a discussão durou mais de 2h30; 2- esta ideia é passível haver discordância

Esta breve contextualização foi para dizer/documentar que nesta reunião estavam presente, anglicanos, budistas, islâmicos e protestantes (critério alfabético para ordenar). Foi um aprendizado extremamente rico, ter a oportunidade de ouvir pessoas de uma matriz religiosa que é por vezes subsequente massacrada pela mídia não tendo espaço para resposta, e de outras matrizes tão ricas em conhecimento e sabedoria.

Diálogo gera transformação e transformação gera formas mais sabias de vida