Você acha uma montanha-russa emocionante? Experimente empreender.

Este mês farão 2 anos que resolvi chutar muita coisa para cima e começar minha própria empresa. A palavra empreendedorismo está mais na moda do que nunca. A sede dos millenials por ser dono da própria vida e a crise econômica que bateu forte no mercado de trabalho parece ter deixado muita gente com a coceira de tirar aquela idéia do papel. No meu caso eu resolvi acreditar no sonho de trabalhar com o que eu realmente amo fazer, e que além disso é um tema que estudei por praticamente uma década. 
Por algum motivo o Facebook tem me bombardeado de anúncios de gurus do empreendedorismo. Páginas de pessoas sorridentes com microfones de orelha que aparentemente ajudaram muitas pessoas a conquistar o sucesso. “Fature mais de R$15.000,00 por mês com a sua startup”. “Tenha controle sobre sua vida”. “Encontre o super duper unlocked next level high stakes power mindset campeão”. “Saiba como se aposentar antes dos 35 anos”. Promessas poderosas e um jargão de palavras em inglês que fazem parecer que se alguma coisa não está dando certo, basta um pequeno ajuste de mindset. Não estou generalizando. Como em todo segmento existem profissionais excelentes e os oportunistas, afinal a indústria da auto-ajuda sempre foi um ótimo mercado (vide lista de livros bestsellers em qualquer mês). Acredito suficiente no poder da positive psychology para saber que é essencial, até mesmo para sua própria saúde, que você se mantenha positivo. Porém na realidade não é só isso. Ninguém está a uma palestra milagrosa ou mais uma sessão de coaching de se tornar um sucesso. Existe muito trabalho duro. Estudos mostram que 90% das startups falha já no primeiro ano e destas a esmagadora maioria não viverá mais do que 3 anos. 
Empreender, principalmente no Brasil, é remar contra a correnteza. Você vai ralar muito. Existe todo um sistema hostil jogando contra você e uma burocracia burra. Você será demonizado. Você vai trabalhar de graça. Você vai trabalhar à noite e no final de semana. Você vai fazer refeições em frente ao computador. Você vai cobrar barato e irão dizer que está caro. Você vai ser mal pago. Você vai tomar calote. Te farão muitas promessas e você acreditará nelas. Você vai ter que estudar muito. Você vai fazer planos e vai mudar eles. Você vai planejar mais. Você vai ouvir muito mais nãos do que sims. Você vai pegar alergia de boleto. Poderão haver noites mal dormidas. Vão haver dias que você vai querer jogar tudo para o alto e vai se sentir seduzido pela estabilidade do contra-cheque certinho pingando na conta todo mês. Não haverá meme motivacional no Facebook para te avisar que vai faltar grana para muita coisa que você quer fazer. Nessas horas ter a “mente blindada” (odeio essa expressão) ajudará sim, mas isso não é nem 5%. 
Existem muitas coisas maravilhosas em empreender. Sem dúvida a lista é muito maior do que os aspectos negativos que vcs acabaram de ler ali em cima. Nada melhor do que você ver o seu trabalho reconhecido ou olhar para trás e ver que toda essa jornada está valendo a pena. Resumindo, sou sim infinitamente mais feliz agora :D Mas não caiam na ilusão do sucesso instantâneo, da startup receita-de-bolo ou do guru que nunca teve um CNPJ. Os melhores conselhos que posso dar é trabalhe duro, estude bastante, tome muito café e se acostume a tomar vinho barato ;) 
Para a geração de millenials que buscam empreender para ter controle da própria vida deixo uma frase da série Mr.Robot: “controle é uma ilusão”.