Resenha: La La Land - Cantando Estações (2017)

Musical consegue agradar até mesmo quem não é fã do gênero

Esta não é uma resenha tradicional, ainda que tenha este título aqui

La La Land é estrelado por Ryan Gosling (Sebastian) e Emma Stone (Mia). Ambos já contracenaram anteriormente na comédia romântica Crazy, Stupid Love, entre outros filmes. Mas não é a inegável química entre ambos o principal qualidade da obra e, sim, a sua autenticidade e proximidade com a realidade.

Ambos os personagens estão em busca de seus sonhos. Sebastian é um apaixonado pelo jazz e vê o gênero musical morrendo aos poucos, enquanto Mia persegue papéis e audições em busca de uma chance como atriz. A paixão que ambos nutrem por aquilo que querem é um dos temas centrais do filme e o que faz com que ambos se aproximem. Enquanto Sebastian se frustra ao tocar músicas natalinas e acaba por escapar do repertório, Mia vê a beleza disso ao entrar no restaurante em que ele está tocando, ainda que, na cena, seja ignorada por ele.

Mais do que a bela história e os personagens contundentes construídos, La La Land acerta na maneira que narra a vida de Sebastian e Mia e ao inserir sutilmente a música neste contexto. Até mesmo para quem não é um fã de musicais, as faixas produzidas agradam pela maneira e o momento em que são colocadas nas cenas. Para quem estiver interessado, a trilha sonora está no Spotify.

No entanto, o que mais chama atenção na obra não é isso, mas a sua proximidade com a realidade. Me acostumei a ver musicais um tanto fantasiosos ou com histórias longe de parecer reais. Em La La Land, os fracassos, a frustração e a tristeza que ambos experienciam na busca daquilo que sonham e amam, é retratado de maneira autêntica. E é justamente este componente que acaba por uni-los. Porém, a dificuldade das relações interpessoais e o desafio de conciliar trabalhos, sonhos e uma relação a dois também é mostrado, algo muito raro nos filmes hollywoodianos.

La La Land mostra como é difícil mantermos em nossas vidas quem amamos, ainda que exista a compreensão de que não podemos renunciar ao que procuramos. Ainda que exista amor, é justamente esse sentimento que irá fazer com que você entenda que mesmo não tendo acabado ao lado dessa pessoa, o amor continua a ser o mesmo. É neste ponto que o filme se torna memorável. Poucos filmes tratam sonhos, fracassos e o amor de maneira tão fidedigna, como algo que acontece em nossas vidas todos os dias. A história de Sebastian e Mia poderia muito bem ser a sua (tirando o fato deles dançarem e cantarem super bem). Por que mostra que a vida impõe obstáculos a todo o momento, mas sonhar um pouco e cantar pra espantar a tristeza faz um bem danado.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.