Retrospectiva 2015

Final de ano é sempre tempo de recordar. Relembrar de ouvir o CD da Simone, de cantar junto do Rei no Especial da Rede Globo e, evidentemente, de pensar sobre as coisas que fizemos durante o ano, aquele antigo projeto que vai ficar pra janeiro (afinal, que ano que passou voando!) e todas as coisas legais que fizemos e aquelas que ainda precisamos fazer.

Entre as freedetes não podia ser diferente, não é mesmo? Dá só uma olhada no que aconteceu em 2015 na nossa retrospectiva!

Campus Party

Começamos o ano renovando as energias e participando da Campus Party Brasil nos dias 03 a 08 de fevereiro. Freeda participou da #CPBR8 na categoria Startup Early Stage. Nossa estande foi exposta nos dias 06 e 07 de fevereiro no espaço Startups & Makers, recebemos consultoria do SEBRAE e voltamos de São Paulo com um monte de ideias novas!

Workshop HCL Technologies

Ocorreu no dia 27 de março no polo tecnológico da Unisinos a oficina da Freeda que abordou os temas de igualdade de gênero, com foco especial nos direitos das mulheres. A atividade surgiu a convite da empresa HCL interessada em aprimorar a formação da sua equipe. Após exposição da equipe Freeda e dinâmica para refletir sobre estereótipos de gênero, seguiu-se espaço para debates. Agradecemos ao pessoal da HCL pela troca de ideias!

Foto: Camila Cunha

Freeda Talks: gênero e ativismo em rede

Em 16 de maio tivemos o nosso primeiro Freeda Talks, espaço que criamos com o objetivo de debater temas da contemporaneidade que implicam o ativismo em gênero e sexualidade. Nesse ano discutimos o campo do cyberativismo e do feminismo nas redes sociais, e o debate nos convidou a pensar como as noções a respeito do protagonismo e do local de fala têm sido a marca do ativismo de gênero na internet. Marcelo Branco e Sophia Starosta toparam nosso convite e falaram sobre o valor das experiências sociais para a militância e como isso tem pautado a possibilidade de mulheres e pessoas LGBT+ se empoderarem através de um ativismo que reflete novas formas de comunicação e de gestão dos movimentos sociais, que passam a compartilhar poder de fala com essas novas tecnologias. Agradecemos o apoio da Thought Works e de todas as pessoas que participaram! Vale conferir outros tópicos! Confira AQUI.

Foto: Camila Cunha | por filsdezesseis

FISL16

No dia 11 de julho contribuímos no debate sobre software livre e questões de gênero, durante a realização do 16º Fórum Internacional de Software Livre, em Porto Alegre. Reflexões sobre o machismo em rede e sobre a possibilidade real das mulheres expressarem livremente suas identidades e demandas sociais na Internet foram os motes dessa discussão, que pretendeu encontrar alternativas a esse quadro por meio do software livre.

Seminário de Turismo LGBT

Freeda também foi convidada a participar do primeiro seminário de turismo LGBT, realizado no dia 14 de julho no Novotel Três Figueiras. A iniciativa foi da Secretaria Municipal de Turismo de Porto Alegre que realizou diferentes atividades no ano para pensar o turismo direcionado à população LGBT e como tornar a cidade um destino friendly. O evento contou também com a participação de estabelecimentos comerciais da cidade e da Secretaria Adjunta da Livre Orientação Sexual.

Grupo de trabalho+workshop sobre turismo LGBT

Depois do seminário sobre turismo LGBT ocorreram diferentes reuniões no prédio da Secretaria Municipal de Turismo de Porto Alegre para pensar estratégias de intervenção na cidade que fortalecessem o turismo da população LGBT. Freeda esteve presente nessas reuniões, ocorridas entre julho e agosto do ano, e também do workshop que capacitou diferentes estabelecimentos comerciais pela Associação Brasileira de Turismo para Gays, Lésbicas e Simpatizantes, que aconteceu na cidade nos dias 10 e 11 de setembro.

TVE, Segunda Edição

Participamos no dia 26 de agosto de reportagem sobre brinquedos e questões de gênero veiculada no Segunda Edição, jornal da TVE (Fundação Piratini). Freeda foi convocada a discutir se existe “brinquedo de menina” e “brinquedo de menino” e quais tipos de reflexos os brinquedos possuem na construção da identidade de gênero e da orientação sexual das pessoas. Acreditamos que o brinquedo nada significa a respeito dessas questões, e que é da responsabilidade da cultura de cada sociedade “generificar” o brinquedo, de modo que uma boneca só é considerada “brinquedo de menina” porque assim faz crer a cultura da nossa sociedade! Além disso, um menino brincar de boneca ou de casinha só vai contribuir para que ele pense mais sobre como pode contribuir, quando adulto, com as atividades ligadas ao espaço doméstico e ao cuidado.

Curso de introdução ao transfeminismo

Já no dia 28 agosto participamos do primeiro curso de introdução ao transfeminismo com a ativista paulista Hailey Kaas. O evento foi patrocinado pelo DCE da PUCRS e estivemos presentes tanto na organização quanto como ouvintes. A atividade foi bem importante para pensarmos questões atuais do ativismo e demandas sociais da população trans!

#somostodasvaleria

Estivemos presentes em protesto no dia 6 de setembro contra violência lesbo-homo-bi-transfóbica, por ocasião da violência sofrida pela cantora Valéria Houston que foi covardemente agredida na Cidade Baixa, em Porto Alegre. Valéria conta que quando foi prestar queixa, a polícia afirmou que não havia nada a ser feito. É contra este tipo de atendimento silenciador que a Freeda luta!

Foto: Clarice Passos | por TVE

TVE, Frente a Frente

Em 9 de setembro discutimos sobre os direitos e desafios da população LGBT no Programa Frente a Frente, da TVE (Fundação Piratini). O debate aconteceu com a advogada e ex-desembargadora Maria Berenice Dias e contou também com a presença da jornalista Nanni Rios, que atualmente participa da Virada Mix do canal OCTO, pluricanal do Grupo RBS, e de Asaph Borba, da Life Comunicações. Foram debatidos temas como o casamento e adoção por homossexuais e como esses casos acabam chegando ao judiciário.

Qualificação, Selo Freeda

Realizamos no dia 5 de outubro nossa primeira qualificação para estabelecimentos públicos e privados, como parte das atividades que compõem o Selo Espaços de Diversidade. Nesse primeiro laboratório participaram 10 estabelecimentos e a conversa foi recheada a debates sobre acolhimento sensível, direitos de gênero e sexualidade, expressão de afeto, uso do banheiro, entre outras questões vividas por mulheres e população LGBT+ em lugares que lidam com o público. As instituições que acolheram nosso convite receberão o Selo para mostrar seus comprometimentos com a diversidade de gênero e sexualidade! Se você possui um estabelecimento e também deseja participar de uma turma ou prefere ter uma discussão in company, dá uma olhada AQUI!

Diversidade UFRGS

Participamos em 7 de outubro da programação do Diversidade UFRGS, evento que reuniu diferentes ativistas e pesquisadoras/es na área de gênero e sexualidade para tratar de temas da contemporaneidade. A mesa que compomos pretendeu discutir as formas de enfrentamento da intolerância e da lgbtfobia no cyberespaço e contou ainda com a participação da Jessica Tauane, fundadora do Canal das Bee, e do Lucas Maróstica, membro da Diversxs.

De onde Falas?

Compomos atividade no ShareFest Porto Alegre sobre diversidade sexual e de gênero, local de fala e protagonismo. Com o título De onde falas?, a atividade ocorreu no dia 25 de outubro e se tratava de uma dinâmica de grupo e um debate para entendermos como cada pessoa sofre diferentes opressões e possui locais de fala diversos de acordo com a sua orientação sexual, identidade de gênero, classe social, raça e etnia, religião, território, entre outras variáveis. Esse foi um momento muito potente para entender como todas as vivências devem ser respeitadas e valorizadas.

Conferência Municipal LGBT

Nos dias 5 e 6 de novembro participamos da II Conferência Municipal de Políticas Públicas e Direitos Humanos de LGBT de Porto Alegre, como integrantes do grupo de trabalho da organização e também da delegação que comporá a III Conferência Estadual LGBT, em 2016. O evento fez parte do calendário que antecedeu a Parada Livre da cidade e serviu como um espaço altamente potente para discutir as demandas por direitos e políticas públicas da população LGBT da cidade, que deverão ser levadas para a conferência estadual e nacional.

Parada Livre de Porto Alegre

Já no domingo, dia 7 de novembro, a Freeda integrou a comissão organizadora da 19º Parada Livre de Porto Alegre, que este ano trouxe o tema da LESBITRANSVIADAGENS: Frente contra o Retrocesso, como uma forma de posicionar-se politicamente contra os retrocessos promovidos por setores conservadores contra os direitos LGBT e os direitos das mulheres. A palavra LESBITRANSVIADAGEM buscava resgatar a pluralidade de identidades e modos de ser que cabem dentro da sopa de letrinhas LGBT, colocando em debate normatividades sobre nossos corpos e identidades. Freeda também foi responsável por produzir a vinheta de divulgação do evento, confira AQUI!

Participação na Virada Mix

Freeda participou no dia 21 de dezembro do programa Virada Mix da Nanni Rios na OCTO TV. O programa trouxe como debate a discriminação por orientação sexual e identidade de gênero em estabelecimentos privados, trazendo como debatedoras a ativista e Secretária adjunta da Livre Orientação Sexual de Porto Alegre Gloria Crystal, as gurias do Rock de Calcinha, o pessoal do Venezianos Pub Café e a galera da Freeda, que apresentou o projeto do Selo Espaços de Diversidade. Obrigada a todas pelo debate! Assista AQUI

Equipe Freeda: Patrícia Becker, Gabriel Galli, Bárbara Arena e Guilherme Gomes. Foto: Camila Cunha

Quem faz a Freeda?

A equipe Freeda agradece a participação de todas as pessoas que colaboraram com o projeto esse ano. Por trás de cada atividade realizada, tivemos o prazer de contar com o apoio de diversas instituições, profissionais e ativistas engajadas em promover a igualdade de gênero e o respeito à diversidade sexual. À todas, gratidão!

Em 2016, mais novidades vêm por aí, acompanhe nossas redes!

http://www.freeda.me/