‘Art Angels’ — Grimes

ontem.

é, ontem, dia 05 de novembro de dois mil e kiss me.

eu estava em casa, sofrendo com uma virose (os detalhes eu deixo em off).

mesmo nessa situ, a gente tem que dar aquela olhadinha nos emails, né?

e na minha caixa de entrada tinha um do Spotify. ‘Ouça uma prévia de uma faixa do novíssimo álbum da Grimes’. dei uns gritos e li o restante.

‘Como um dos principais fãs da Grimes, estamos te oferecendo acesso exclusivo à prévia de “laughing and not being normal”’

gritei pra caralho. puxa vida, como sou especial! ouvi, achei okay e fui pro reddit pra dar uns gritos por lá.

quando cheguei no r/Grimes/, eu descobri que Art Angels tinha vazado.

pra você que leu até agora e tá mais perdido do que a minha graduação, deixa eu te explicar: Grimes é o nome artístico de Claire Boucher, uma canadense de 27 anos, ex-estudante de neurociência. em 2010, lançou dois álbuns — Geidi Primes e Halfaxa — porém, o reconhecimento veio apenas em seu terceiro trabalho, Visions. e hoje é o dia do lançamento oficial de Art Angels, o seu quarto disco.

o background de Art Angels é bem interessante. no ano passado, Grimes lançou Go, uma música pop, diferente do que ela havia apresentado no passado. Go teria sido escrita para Rihanna, porém foi posteriormente descartada. mesmo assim, houve uma baita d’uma reação negativa dos fãs, que ficaram receosos pela mudança do estilo da Grimes. depois desse episódio, ela revelou que havia largado o álbum em que ela estava trabalhando, pois segundo ela, estava muito depressivo. em março desse ano, ela postou um vídeo com a música REALiTi, uma demo do tal álbum descartado, como um presente para os fãs.

acabei de perceber que o resto desse review tava bem ruim. então fiz a Grimes e apaguei tudo. vou comentar faixa por faixa porque é mais fácil pra mim. (tenham paciência com quem tá começando, por favor!)

  1. laughing and not being normal: é uma intro. uma boa intro. sei lá. tem algo de música clássica nela, mas sei lá. não sei mesmo, desculpa. é okay.
  2. California: eu amei essa música por motivos de: tem sample de PON DE REPLAY da Rihanna! pelas letras, eu acredito que ela esteja retratando o backlash contra ela se tornar uma artista pop: ‘california / you only like me when you think i’m looking sad / california / i didn’t think you’d end up treating me so bad’. e… entrem aqui e pesquisem pelo zip code 95950. (spoiler: tem uma cidade chamada Grimes na California. achei relevante.)
  3. SCREAM ft. Aristophanes: é, não tem nada a ver com Aristófanes, o dramaturgo. a Aristophanes, no caso, é uma rapper taiwanesa. eu não sei bem qual ponto eu foco aqui, porque é um rap em mandarim, muito bem produzido pela Grimes, com gritos. sim, gritos. scream. 你明白了嗎?
  4. Flesh without Blood: o lead single do álbum. o vídeo é bem bacaninha. tem ela de anjinha, de hipster, de gamer, de maria antonieta jogadora de tênis etc. é uma música definitivamente pop, com letras deliciosas sobre a relação dela com os supostos fãs que querem cagar regra no tipo de música que ela deve fazer. enfim, eu já travei meu pescoço dançando essa música no banho. mas quem nunca?
  5. Belly of the Beat: gostei, no geral. muito da música é baseado nos vocais dela, o que lembra Visions. mesmo assim, é pra cima. bem na vibe do restante de Art Angels.
  6. Kill V. Maim: chegamos ao clímax do álbum. a própria Grimes já disse que essa é a favorita dela. bom, ela também falou que é uma música escrita na perspectiva do Al Pacino no Godfather pt. II, mas ele é um vampiro que pode mudar de gênero e viajar pelo espaço. seems accurate.
  7. Artangels: adorei as guitarras nessa música. tão radio-friendly, é uma delícia de escutar.
  8. Easily: você se apaixona facilmente por essa música. as letras são bem simples, melodia suave. curti.
  9. Pin: as letras têm referências a Sonho de uma Noite de Verão, ela como uma banshee bêbada e tatuagens diy. acho que essa faixa se encaixa tão bem no restante do álbum, bota um sorriso na cara de qualquer um.
  10. Realiti: a demo de Realiti é possivelmente minha música favorita da Grimes. o fato é que eu não sei o que sentir ao escutar agora, pois a mudança da demo pra versão final é muito grande. mesmo assim, essa música é fantástica, as letras são maravilhosas e eu só tenho a agradecer à Grimes por ter colocado essa música na versão digital do álbum. (é, no vinil, Realiti ficou de fora.)
  11. World Princess part II: adorei as batidas dessa músicas, mas não curti muito os vocais, que soam meio apagados para mim. a primeira World Princess está presente no Halfaxa, álbum de 2010 da Grimes. enfim, são músicas relacionadas à morte da melhor amiga da Claire.
  12. Venus Fly ft. Janelle Monáe: WHO RUN THIS MOTHA? Grimes e Janelle Monáe, aparentemente. uma música sobre emponderamento feminino, com uma batida doentia e violinos. os versos da Janelle são incríveis. é nesse momento do álbum que você começa a chorar lembrando que as chances da Grimes fazer algum show aqui no Brasil são bem baixas.
  13. Life in the Vivid Dream: vocais bem Grimes, letras lindas. só acho curtinha demais. acaba e bate aquela bad de ‘queria mais’, sabe?
  14. Butterfly: essa música é incrível. a produção é maravilhosa — aliás, todas as músicas de Art Angels foram produzidas pela Grimes. e eu acho que é aqui que ela nos explica o álbum: ‘oh, no, it came / higher than an aeroplane / don’t know this song / sweeter than a sugar cane / why you looking for a harmony? / there is harmony in everything / it’s a butterfly who waits for the world’.

overall: 9/10.

coeso e colorido, Art Angels é bom demais.

você pode escutar o álbum no Spotify, no Apple Music e no Tidal.

(obrigado por ter lido. ♥)

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.