via: arte feminista

Serei eu

Algum dia serei livre
de todo ódio
de toda revolta
que eu tenho.

Serei livre,
sim, serei.
Poderei deixar tudo 
para trás
e me tornarei eu.

Me livrarei das
prisões que me mantém
aqui, junto de outros,
em um sistemático abismo.

Não responderei padrões,
patrões, quiser quem seja,
somente a mim mesma.

Até lá, livro a mente
de tanta gente que
me quer presa.

Enjaulada, calada,
sempre abaixando 
a cabeça.

Não aceitarei mais
aqueles que me querem
muda, surda,
inexistente.

Serei livre.
A partir de hoje
reconheço o poder 
da minha voz feroz,
serei ouvida.

Vou incomodar sim,
pois como muitas
quero o fim
da injustiça.

Algum dia serei livre 
de mim,
e, assim,
milhares também serão.

[E a utopia
 não será mais utopia]

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.