Quarto

Todas as minhas histórias repousam em objetos coloridos pelas prateleiras, todos os meus amores roubados estão enfileirados por tema – nunca por nome de autor ou procedência.

e o sol entra

por frestas

escondidas

da minha escuridão

toda azul

Os meus meses de escritos passados e cada vez mais distantes estão espalhados, organizadora na própria bagunça da minha alma. Uma xícara de café com lápis e uma rosa morta.

não há

ou há

nenhuma música

que enlace

a minha solidão

melhor do que aquele vestido

vermelho

que você tanto conhece

Os pedaços do meu outro eu estão no armário, misturados com caixas decoradas de chá e com joias de família. Os CDs de colecionador permanecem escondidos, porque se abrem só para você. Todas as vezes em que entrei aqui sozinha se repetem como as notas de um piano escondido no alto de uma montanha.

o amor

é apenas

uma pauta de música

que escondemos

na mais pura verdade

antes de fechar os olhos

para proteger a realidade

de sermos apenas nós

E agora me pergunto, após oito anos vagando pelas esquinas. Você ainda quer morar comigo?

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Carolina Cerullo’s story.