Moscou para amantes de História

Texto participante de concurso publicado em 2013 no site Trippics.com

A Rússia é talvez o país mais interessante que eu já visitei. A distância geográfica do mundo ocidental torna a sua acessibilidade mais difícil (a passagem até lá é um pouco cara), mas guarda em seu território a surpresa de riquezas incomparáveis.

Belas mulheres, arquitetura sem igual e séculos de história. A nação que tem o maior território do mundo e hoje em dia é um grande e emergente centro capitalista, já foi antes império e potência socialista, mantendo ainda vestígios incríveis dos não tão distantes tempos de União Soviética. Esta trip é uma aventura em busca desses magníficos tesouros históricos que só mesmo na Rússia você poderá encontrar.

Talvez a única dificuldade de uma trip para a Rússia seja mesmo se acostumar com o alfabeto deles — o cirílico — que tem algumas letras que às vezes parecem as nossas mas no geral tem sons bem diferentes. Apesar de à primeira vista parecer que os russos estão sempre brigando uns com uns outros, com o tempo você percebe que isso é só impressão devido ao forte sotaque da língua. É um idioma bastante interessante de se ouvir e aprender. E os russos, diferentemente do estereótipo ao qual estamos acostumados pelos filmes norteamericanos, se mostram um povo amigo, receptivo e bem humorado. Bom, então vamos ao tour.

Essa viagem se concentra em Moscou — capital e sede da antiga União Soviética — muito embora a cidade mais bonita da Rússia seja São Petersburgo, ao norte, que concentra os mais belos majestosos palácios de ouro da época da dinastia dos Romanov. Tem também a capital da Sibéria — Novosibirsk — onde morei em um intercâmbio por dois meses, mas sobre essas eu posso falar em um próximo roteiro, se vocês quiserem.

Em Moscou, o passeio começa com um reconhecimento de terreno. A Praça Vermelha, (em russo: Красная площадь — lê-se Krasnaya ploshchad) no centro, é o principal cartão postal da cidade e do país, concentrando a famosa Catedral de St. Basil’s (com suas cúpulas coloridas que lembram sorvete e têm quase 500 anos de história) em frente a um enorme pátio cercado de belos palácios importantes, e ao lado fica o Kremlin — a sede do governo. O local ficou muito conhecido por todos os desfiles militares durante a Era Soviética. Uma volta — a pé mesmo — em torno do gigante avermelhado palácio do Kremlin revela as enormes muralhas que protegem o QG do governo russo às margens do Rio Moscou.

Na mesma Praça Vermelha, fica uma casinha em forma de pirâmide que abriga o mausoléu de Lênin, o grande líder soviético. Os que tiverem coragem podem entrar e, em silêncio total e cercados por guardas, podem ver o corpo dele ali sentado, conservado até hoje. É de graça pra entrar, mas você vai ter que deixar a câmera perto da entrada e isso custa alguns rublos (moeda russa). Só é permitido passar dando uma olhada rápida. Não pode parar para olhar, nem dar tchau para o camarada e nem fazer movimentos bruscos dentro do recinto. Parece bobagem, mas é bom avisar. Vi um cara que levou uma bronca só porque estava com a mão no bolso. Resumo: todo respeito é pouco. A visita vai durar dois minutos (se você tiver sorte e tiver uma fila lenta). Louco, não?

Depois dessa loucura, as próximas atrações são mais light — mas nem por isso menos empolgantes. A poucos metros da Praça Vermelha você pode descer para pegar o metrô — por sinal, o metrô mais profundo do mundo (dizem que há uma mini-cidade subterrânea lá dentro por trás das enormes paredes, para abrigar a população russa em caso de ataques nucleares nos tempos de guerra) e possivelmente também seja o metrô mais bonito e bem decorado do mundo. Sua arquitetura clássica magnífica é, certamente, uma atração à parte. Desça na estação Tverskaya (a principal avenida da cidade), e logo ali em frente está o Museu Central de Histórica Contemporânea da Rússia. Objetos socialistas, documentos importantes, brasões, bandeiras, fotografias, vídeos e textos que explicam toda a história a União Soviética fazem daquele um paraíso que qualquer amante de história pode passar horas e dias contemplando.

Enfim, Moscou é uma cidade tão rica para quem gosta de História que é melhor eu terminar esse roteiro por aqui antes que ele fique longo demais. Espero que tenha deixado você com vontade de conhecer. Minha dica é aproveitar os dias da sua estada para se alimentar de História e, se você for jovem e solteiro(a), aproveite as noites para conhecer as belas mulheres (ou homens) que só o Leste Europeu pode te apresentar. Mas isso eu deixo para você conferir de perto. Afinal, você vai descobrir que a Rússia é um destino repleto de maravilhas — em todos os sentidos.

Like what you read? Give Guilherme Schroeder a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.