Olho neles 1: O argentino Kimberley, na estreia da ACBF na Libertadores

Kimberley vem com técnicos novos e com batuta de atual dono do futsal argentino

A Associação Carlos Barbosa de Futsal (ACBF), inicia na segunda-feira, 22, sua trajetória em busca do tricampeonato da Libertadores da América de Futsal. A competição em 2017 será disputada em Lima, capital do Peru. E como não poderia ser diferente, vamos apontar virtudes, defeitos dos adversários dos gaúchos e brasileiros na competição sul-americana.

E o primeiro desses adversários na fase de grupos é Club Atlético Kimberley. Os argentinos são os atuais bicampeões nacionais e conquistaram a Recopa, a qual lhe deu a vaga para disputar a Libertadores. Uma competição que é conhecida pelos azuis, já que estiveram na edição do ano passado, quando ficaram na quarta colocação.

Apesar do futsal argentino ser atual campeão mundial, em seu país o esporte apresenta muitas dificuldades em termos de organização e profissionalização. Um desses poucos times profissionais é justamente o Kimberley e nota-se isso pelos títulos. A equipe era comandada até ano passado por Hernan Basile, que agora passa a ser uma espécie de diretor do clube. A parte técnica está sob batuta de Nico Valdés y Gastón Dopico.

E nesta nova dupla de entrenadores, como dizem os portenhos, recebeu uma equipe sólida e com muitos remanescentes de temporadas anteriores como Noé Peres e o goleiro Lucas Farach. Em contrapartida, um dos grandes nomes da equipe, o artilheiro Martín Persec acabou saindo.

Para o lugar de Persec, uma dupla da seleção uruguaia foi contratada. Richard Catardo e Nacho Salgues, que marcou 66 gols em 32 jogos na última temporada pelo Old Christians, do Uruguai.

A ACBF precisa ter sempre atenção com essa dupla. Não grandes primores técnicos, mas com malandragem sabe abrir espaços e finalizar. Além deles, “EL Celeste”tem um dos caras da seleção argentina campeã do mundo e que esteve na Copa América disputada em março, o ala Santiago Basile. Esse é o cara do time argentino. Habilidoso, com poder de finalização muito alta.

Santiago Basile é o grande nome da equipe. Jogador com passagem pela Seleção Argentina

A parte defensiva evoluiu muito nesta temporada. A equipe tem a melhor defesa na Argentina. Apesar disso, há dois poréns interessantes a serem explorados. O primeiro deles é o jogo de pivô e uma segunda possibilidade é a jogada um contra um. O goleiro Farach apesar de certa experiência costuma cometer alguns erros crasso.

Na observação feita pelo G8 Esportes e Conteúdo de dois jogos: River Plate e Boca Juniors, a equipe do Kimberley fez muitos gols, mas também levou. A tática em ambos os casos foi de marcação atrás da linha dos 10m, dando a bola ao adversário. Com a posse, a busca pela individualidade e velocidade de Basile sempre foi uma tendência. Uma equipe que roda muito seu elenco. E busca claro, os uruguaios para definição.

Em suma, um time com nível razoável, com bons valores. Mas que com a ACBF atuando com o máximo de atenção, não deve ter maiores problemas, apesar de ser uma estreia. É evidente que todo o cuidado é pouco, os argentinos vem como moral, estão longe de serem o bicho papão da competição.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.