Encontro

E aí que você está andando na rua, pensando na morte da bezerra quando de repente…

Ele aparece na sua frente.

Por um segundo você fica sem ar mas aí se lembra: não se importa mais.

Se fosse antes! Um mês, um ano, uma vida….quem lembra! Mas ah, se fosse antes.

O coração vai a mil e uma gota de suor começa a percorrer seu corpo enquanto sua mão para de obedecer o cérebro e funciona por conta própria.

Mas isso é porque não era real, nunca foi.

Assim como tantas outras coisas que vivem na sua cabeça, tão diferentes da realidade.

E como é chata a realidade. E rude. Te encara com um olhar indiferente, quase irritado.

A realidade é chata, te olha torto e tem cara de que preferia qualquer outra coisa a ter te visto.

Mas tudo bem porque, olhando pra trás, essa foi a mesma cara que você fez pra ela.

Papo furado, como ninguém te ensina e na hora H nunca funciona, um farol vermelho que leva uma eternidade para abrir. Uma virada de olho discreta e o cérebro desejando que o vermelho fique verde.

Acontece

Depois de muito tempo.

Depois de tempo suficiente pra perceber que nunca foi real.

Like what you read? Give Gabriela Mendonça a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.