Eu, eu mesma e meu home office

Você gosta da sua companhia?

Trabalhar de casa pode ser uma empreitada solitária. Um telefone toca aqui, uma mensagem chega ali, mas em grande parte do tempo a solidão é amiga íntima.

No princípio, trabalhando da casa dos meus pais, eu não senti isso, mas quando mudei foi um choque. Contei aqui.

Eu sempre gostei de ficar sozinha — no trânsito, por exemplo — porque era o tempo que eu tinha pra curtir minhas ideias, ouvir música, bolar planos infalíveis.

a solidão do trânsito

A gente está sempre tão rodeado de gente, de estímulos visuais e sonoros, de conversas em grupos, não é? Era bom ter um tempinho comigo mesma.

Acontece que o home office me trouxe um tempão comigo mesma! E daí tive que desenvolver algumas estratégias pra lidar com isso, como:

  • Assinar canais no YouTube e assistir diariamente a vídeos com conteúdos que me interessam (o Pirulla é meu preferido ❤)
  • Desenvolver o gosto pela culinária e tornar a hora do almoço mais prazerosa
  • Tirar uma hora do dia para sair, ver pessoas, conversar
  • Ir ao escritório pelo menos uma vez por semana (falei sobre aqui)

E, claro, estabelecer uma rotina. A organização sempre ajuda. Mas acredito que a melhor estratégia tenha sido aprender a gostar da minha própria companhia.

Gostar de almoçar em silêncio. Descobrir meus horários mais produtivos. 
Passar um tempo na varanda apenas admirando a paisagem. Desenvolver uma ideia sem interrupção. Aprender a controlar impulsos sem esbravejar com alguém. Perceber que me concentro melhor assim.

Foram muitas descobertas mesmo (e cada vez chegando mais, rs!).

O home office tem sido um processo lento e gradual de autoconhecimento, e nem tudo eu consigo absorver, mas hoje sei que a solidão não é inimiga.

“ (…) Faça com que a solidão não me destrua.
Faça com que minha solidão me sirva de companhia. 
Faça com que eu tenha a coragem de me enfrentar.
Faça com que eu saiba ficar com o nada
e mesmo assim me sentir
como se estivesse plena de tudo.”
Clarice Lispector

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.