poesia_46

Marco Mazzoni

Alma

Desculpe, eu preciso que o mundo veja

Essa coroa de flores que boto em tua cabeça.

_

Minha vontade é ferina

De te decorar dentro da rima,

De te estreitar no universo do espelho

Pra que te enxergue duplicado

O corpo inteiro.

_

Te quero entorpecendo

Razão desatenta,

Dançando ao relento

Na luz obscena!

_

E a tua alma se move por todos os cantos,

Porque assim deseja;

Te observo e assim, me elevo

Pr’além da consciência*.

_

*ou consistência

Like what you read? Give Gabriela de Oliveira a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.