Yoga, meditação e as enganações do materialismo espiritual

Teve uma época em que eu queria me sentir mais "espiritualizada", ter meu momento de gratidão todos os dias e fazer yoga porque isso ia me ajudar a resolver os meus problemas e a me tornar mais espiritual. É bem óbvio que isso foi só uma fase em que eu usei a yoga, a meditação e o espiritualismo porque estes me traziam conforto e me faziam esquecer dos meus problemas. É por isso que também é bem óbvio que, no primeiro momento em que tudo o que eu acreditava foi colocado em pauta como sendo algo que eu apenas disseminava e não praticava no dia a dia, eu larguei todas todas essas coisas e minha vida perdeu o sentido, eu perdi o chão. Fiquei mais de 1 mês decepcionada com a vida. Eu simplesmente não conseguia ser grata pelas coisas que eu tinha justamente porque existiam muito mais pessoas que não tinham pelo o que ser gratas. E aí eu criei um paradoxo. Por que gratidão com as coisas que eu tenho se existem crianças na Síria sendo mortas todo dia? Por que eu mereço tudo o que eu tenho? O que eu fiz de diferente? Por que nem todo mundo tem as mesmas oportunidades? Por que vou ter gratidão? Mas foi nesse momento que eu percebi o meu maior erro: eu era grata quando lembrava que devia ser grata, não por simplesmente ser. Eu era grata pelas coisas que eu tinha apenas porque eu sabia que devia ser grata. Agora eu entendo. A gratidão é uma sensação contínua, a tudo e todos, independente do fato de ter que lidar com algum problema. Eu era grata quando tudo dava certo, mas e quando não dava? Aí vinha a tristeza, a raiva, o sentimento de vazio… Agora minha gratidão é contínua e não vai desaparecer no meus momentos de fraqueza porque eu sei que são esses momentos que elevam o meu caminho e me aperfeiçoam.

Eu falei apenas de gratidão nesse primeiro texto, mas isso se aplica a todos os outros ensinamentos do budismo que, atualmente, são disseminados pelo desejo de se ter paz, de trazer felicidade para um mundo que está se autodestruíndo. Mas não é a meditação e nem a gratidão que vão salvar o mundo, até porque esses instrumentos estão sendo usados para ignorar acontecimentos. Apenas a verdadeira conexão consigo mesmo vai fazer com que seja possível prestar atenção no mundo, sem se isolar para criar uma bolha e dizer para si mesmo que está tudo bem. É necessário prestar atenção no mundo e no momento, mas também é necessário se conectar consigo mesmo e conseguir controlar as emoções negativas que o mundo coloca em nós.

Nós somos os principais responsáveis pelas emoções negativas que sentimos e esse é o principal problema. A falta de consciência nesse assunto é o que traz à tona o materialismo espiritual - que nada mais é do que uma busca pelo isolamento para que se tenha paz e felicidade e para que se consiga bloquear os anseios e as tristezas que a vivência no mundo nos trás.

Eu sou a principal força de bloqueio, eu escolho permanecer em paz e ao mesmo tempo estar consciente do que está ocorrendo a minha volta. Dessa maneira, eu consigo pensar em soluções para problemas que são constantemente ignorados por trazerem muita dor e consigo permanecer em paz quando esses problemas me atingem diretamente.