FAFICH: te escolhe, acolhe e encanta

Depois de um dia cansativo de trabalho e muitos ideias na cabeça fui olhar algumas pastas com fotos e me deparei com uma em especial que havia postado, há três anos, com a legenda mais ou menos assim: “ Tudo passa.. Mas as paredes da FAFICH, ah! essas não passam”.

Hoje, alguns anos depois, olhando para as fotos e revivendo as memórias daquelas paredes, posso reafirmar: elas não passam. Elas voltam, elas ficam, elas criam raízes no coração e até hoje, não conheci um ~Faficheiro~ sequer que discorde dessa afirmação. Sabe por que?

Porque a FAFICH te escolhe, te acolhe e te encanta.

As paredes cheias de verbo, de sentimentos e de cor ensinam tanto.

A entrada larga, longa e sem catraca quer dizer tanta coisa. As numerações invertidas, as salas escondidas e as cadeiras desordenadas.

Os corredores compartilhados com gatos, com intervenções, com fotos, retratos, chamados, protestos.

É tanto verbo de luta, de força, de empoderamento, de visibilidade para quem não têm fora dali e tanto espaço de diálogo e troca.

É tanta explosão de sinestesia que tudo o que se passa lá fica para sempre nas paredes. Que não passam, nunca.

Ser universitário já é uma experiência incrível. Mas estudar na FAFICH não tem igual. Mais do que os saberes tradicionais (questionados e virados de cabeça para baixo), tudo ali tem um quê de transformação que reverbera para o mundo lá(aqui?)fora. Por isso, criaram o estigma do faficheiro. Que aliás, cá pra nós, é muito engraçado já que é um grupo tão diverso, mas ao mesmo tempo tão em sintonia.

Sintonia da experiência de compartilhar, questionar, lutar e se encantar com o mundo. Sintonia com a diversidade e com o que vai além da sala. Sala que se faz no hall, nos corredores, na grama, no milharal. Sala que se faz com as festas. Sala que se desconstrói e se reinventa.

Reinventar. Acho que é isso. Lá, as pessoas se reinventam. Por isso aquelas paredes são tão importantes e não devem passar. E depois de ver essas fotos, e reviver tantas lembranças, só me resta saudade (e se você é faficheiro, aposto que também vai ficar).

Uma lembrança de uma aula como outra qualquer.
One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.