Um texto antigo

Perdido entre outros tantos arquivos, numa pasta qualquer…

Minha gata é folgada. Vive tentando desviar minha atenção quando estou escrevendo. O que quer? Não é difícil adivinhar, seu olhar penetrante deixa claro. Agora, ela está esfregando a cabeça na minha perna esquerda. Vou precisar dar um jeito nisso. Tenho que escrever, não posso mais adiar esse momento, é muito importante pra mim. Como vou fazer então? Acho que preciso endurecer um pouco.

- Sinto muito, Maia, mas não vai rolar. Quando vou atrás de você, por livre e espontânea vontade, só recebo olhares inexpressivos e dolorosas fugas. Não vou mais ficar fazendo suas vontades. — foi difícil dizer isso.

Mas funcionou. Por 30 segundos, contados. Logo, ela já estava se esfregando em mim novamente.

Tentei explicar a importância de escrever para minha gata.

- Isso pode me fazer um bem danado, sabia? Posso me transformar em um grande autor, dono de vários best-sellers

O mesmo olhar de sempre.

O olhar de absoluta superioridade, acima de todas as coisas mundanas. O olhar que intimida, invadindo minha alma, destroçando toda a vaidade, orgulho e narcisismo do meu ser. Pro inferno, eu e meus best sellers, pensei

A mão direita vai ao encontro da pequena cabeça peluda. Um afago demorado. Fico leve.

- meaaaaw — a gata agradece

Não precisa. Fez bem pra mim também.

Ela pula no meu colo. Sim, fui vencido. Resta aceitar, e ceder ao seu pedido. A mão direita não descansa. Pelos brancos se espalham pelo ar… Os best-sellers vão esperar.

Maia, minha gata.