A pintura que salvou Theo Decker

Theo Decker tinha treze anos quando foi suspenso da escola. Claro que isso é motivo de preocupação suficiente para uma criança em sua idade, ainda mais quando a mãe foi convidada a comparecer à diretoria para uma reunião e precisou se ausentar do serviço durante uma manhã inteira.

À caminho do local, Audrey, mãe de Theo, passa mal em um táxi completamente desgovernado e os dois decidem descer a procura de outro motorista menos imprudente. É aí que começa uma chuva torrencial que os leva direto para as escadarias do Metropolitan Museum of Art, na Quinta Avenida.

É ali, enquanto analisa uma pintura instigante de um pássaro, ao lado de dois desconhecidos, que Theo sofre a primeira grande mudança em sua vida. Um atentado terrorista mata sua mãe e o faz deixar o local com uma sensação de responsabilidade pelo ocorrido.

Além da culpa, o menino sai do museu carregando uma coisa que não lhe pertence. O quadro O Pintassilgo, do pintor holandês Carel Fabritius, uma obra rara e de preço inestimável.

A partir daí, a vida de Theo torna-se um verdadeiro pandemônio. É na casa de um amigo do colégio, na Park Avenue, que ele passa seus primeiros meses como órfão. Até ser buscado pelo pai e se mudar para Las Vegas. É lá que conhece Bóris, seu amigo mais íntimo.

O livro é narrado em primeira pessoa e de forma linear. Theo, já com 27 anos, conta a história desde o dia em que surrupiou a pintura do museu, até os dias atuais. Durante todo este tempo, o quadro estava embrulhado e escondido em algum lugar seguro, sepre próximo dele. O garoto não ousa contar seu segredo mais valoroso nem para o melhor amigo, muito menos para Hobie, o restaurador de móveis antigos com quem vive depois de voltar para Nova Iorque.

Foi um dos últimos livros que li em 2015 e, de longe, o melhor. Acredito que a história, embora repleta de trechos impactantes e inesperados, seja, de certa forma, excelente para uma leitura sossegada e confortável.

A construção dos personagens e da trama é extremamente magnífica e se desenrola de forma esplêndida, capturando a atenção do leitor do início ao fim. O livro poderia apenas contar a história de um garoto atormentado por perder a mãe em um ataque terrorista, mas ao incluir o roubo do quadro, Donna Tartt faz com que seja praticamente impossível largar a obra até que se saiba o que acontecerá com O Pintassilgo e com Theo.

Durante toda vida, Theo Decker passou por momentos difíceis e perdeu pessoas importantes, seja porque morreram seja porque deixaram de lhe contatar ou o rumo de suas vidas mudou. No entanto, o garotinho encontrou naquela magnífica pintura, uma forma de resgate, para onde poderia voltar sempre que desejasse.

Relacionado


Originally published at sobremundos.com.br on February 19, 2016.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.