ontem a noite senti uma dor absurda

inacreditável

eu, que nunca reclamo de nada,

senti uma dor que me tirou o chão

que bateu desespero

que podia me botar pra gritar ou chorar

ou nada, porque

logo eu

que nunca sinto dor alguma

podia só não estar acostumada

fazendo drama, exagerando tudo

mimada que sou

(afinal de contas)

já estava para ir dormir

acendendo incenso, ouvindo mantra,

em meia lótus pra concluir o dia

e foi em meio a isso

a isso

que veio a dor

em meio a um clima tão bom, mas dor é dor

e não foi devagarinho, chegou incomodando

com a dúvida de suportar

respira, tudo bem

até eu perceber que respirar pausado ficou difícil de continuar

parei tudo

na hora

doía demais e eu cansei de respirar pra passar, meditar pra passar

perdi a paciência com assanas, pranas

levantei do quarto pra sala, andei em círculos no tapete

no chão gelado

sentei na privada pra pensar

alonguei as pernas, a coluna

deitei na cama, andei de bicicleta invisível

quase chorei

tirei a roupa, pendurei na janela

vesti de novo, andei em círculos mais uma vez

sentei de cócoras, virei cambalhota

apertei o olho, tampei a cara com as mãos, encostei a testa no chão

de agonia

do tanto que doía

fiz coisas que

sorte a minha ninguém viu

imagina ter que explicar

a dor que senti

daquelas que até se sabe mais ou menos onde é

mas você encontra o ponto

e

ele

foge

você aperta e parece que tem raíz

que tem um grande caroço no seu corpo inteiro

e na verdade dói tanto

que é em volta e mais além

onde não sei entrar pra tirar o que machuca

não faz sentido algum

foi de ficar muito tempo sentada

foi o suco de abacaxi (o gosto já tava estranho mesmo)

foi o estresse, deve ser

foi a yoga que despertou isso aí

a inversão dos chakras, foi antes ou depois?

olhei o celular como se nada estivesse acontecendo

é uma nova abordagem

como se eu não estivesse enlouquecendo

com essa filha da puta de dor maldita

diabo!

quis pesquisar na internet e não sabia o que

só sabia que não era a primeira vez dessa dor

em mim

mas já havia tentado tudo que fiz

das outras vezes

ontem foi o dia que essa dor se superou

agora eu vou mudar de vida

vou descobrir a causa

não vou mais fazer isso comigo

eram três da manhã e eu

logo eu, que resisto tanto

me levantava pela terceira vez para andar em círculos

resolvi trocar de roupa, esquentar água, abrir as janelas

(amanhã vou escrever sobre isso

que da próxima vez

não me sinto sozinha)

respirei fundo de novo

que comecei a senti algo mudar

como que se, mesmo doendo muito, a dor virasse

algo que posso domar

que mesmo me tirando o fôlego

posso assoprar pra longe

sei que isso é bem comum, que todo mundo sente

apesar de ninguém contar

eu também não conto

não contaria também, mas cá estamos

apertei os dentes

vai logo, sai de mim!

gostei tanto de ver a dor mudar

que criei a expectativa de passar com o sopro

já estava chacoalhando as mãos, franzindo a testa

meio triste na esperança

mas estava lá

e senti que foram coisas saindo

que começou a ir embora

bem devagar, podia ir mais

mas aí fiquei esperando

tentando encontrar uma lógica

e continuou doendo por um tempo, mas já dava para respirar

fique sabendo

dava para soltar os dentes, relaxar a testa

soltar os dedos que unhas fincavam nas palmas das mãos

que crise foi essa, qual será o ponto do-in pra isso

que chá me ajudaria

e

passou

como ar que encontra a pele

e você nem percebe quando

foi

perdendo o sentido

tudo que reclamei

nem sei como consegui terminar esse texto

agora senti uma pontada leve

que me assusta de lembrar

imagina de novo, estar as 4 da manhã

puxando os cabelos pra enganar

os receptores do cérebro

o que eu faço agora

pra isso não acontecer mais?

Like what you read? Give Gabriela Bara a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.