Da faculdade para o palco da vida

Gabriela Dequech e Mônica Custódio

Agradecimento especial: Mariana Nascimento

Muito estudo e pouco dinheiro. É certo que o cotidiano de um universitário não é dos mais fáceis. No entanto, mesmo em meio à grande quantidade de conteúdo para estudar, as indefinições sobre o futuro e a necessidade de estabilidade financeira, alguns estudantes conseguem encontrar tempo para a inovação. São projetos simples, mas originais, que podem ter resultados tão variados quanto provocar mudanças sociais ou se tornar uma grande empresa.

O exemplo de empreendedorismo universitário mais conhecido talvez seja o do Facebook, que em janeiro de 2015 contabilizava 1,5 bilhões de usuários cadastrados. O site começou com a ideia de um grupo de alunos de computação da Universidade de Harvard, em 2003. Eles eram liderados por Mark Zuckerberg, que desenvolveu o Facemash, um jogo entre os estudantes da Universidade que mostrava aos visitantes duas fotos de estudantes lado a lado para serem escolhidos os mais atraentes. O Facemash deu tão certo que sobrecarregou o servidor de Harvard e teve que ser desativado. Mas a ideia persisitiu e Zuckerberg desenvolveu a aquela que se tornaria a maior rede social do mundo.

Para além dos casos de sucesso que resultam em fama e dinheiro, o ambiente universitário pode inspirar projetos que provocam mudanças sociais, na cultura e no meio ambiente. A paixão por musicais foi o que motivou as alunas Ana Luiza Koerich Rios e Marina Soares a escolher uma adaptação do musical Chicago como trabalho final para a disciplina de Prática de Direção Teatral I do curso de Artes Cênicas da Universidade do Estado de Santa Catarina (Udesc). Apesar das dificuldades, as meninas conseguiram montar um belíssimo espetáculo, que pretendiam apresentar apenas duas vezes, no final do primeiro semestre de 2013. Mas o show fez tanto sucesso que elas tiveram que programar algumas sessões extras.

Ana Luiza e Marina decidiram então que, durante o segundo semestre de 2013, aperfeiçoariam o trabalho, possivelmente com mais atores, cenário e algumas músicas que foram deixadas para trás na primeira versão. O espetáculo ganhou nome — chama-se All that jazz — e a equipe virou um grupo especializado em montagem de espetáculos de teatro musical, o N17, que dois anos depois continua apresentando a adaptação de Chicago por toda Florianópolis.

Na mesma Universidade, o projeto Abrindo Portas, uma iniciativa de alunos de Administração, busca realizar melhorias para o Centro de Recuperação Casa do Oleiro, entidade beneficente que presta apoio gratuito a pacientes voluntários no tratamento da dependência química e está localizada no bairro de Ratones, em Florianópolis. A principal meta do projeto é construir uma marcenaria no local e estimular a prática de oficinas, capacitação e profissionalização do público atendido. Para alcançar seu objetivo, o Abrindo Portas promove eventos beneficentes e busca parcerias com organizações interessadas em apoiar a causa, além de realizar ações sociais na Casa do Oleiro.

Já na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), um grupo de oito alunos dos cursos de Engenharia Mecânica, Ciência da Computação e Física, além de profissionais graduados em Engenharia Elétrica e Design, criou um novo sistema para fazer locação de carros. O PodShare é um sistema de carro compartilhado inaugurado em um condomínio empresarial na Cidade Pedra Branca, em Palhoça. Com o objetivo de diminuir congestionamentos, trazer mais economia para quem utiliza o transporte e proporcionar comodidade, os emprendedores apresentam o sistema como uma nova forma de transporte e uma alternativa mais sustentável, uma vez que um carro compartilhado economiza e polui menos do que vários carros.

Uma empresa locadora de veículos é quem fornece o carro para a PodShare através de uma parceria. O modelo Gol, ano 2014, 1.0, quatro portas, com ar-condicionado, airbag e freios ABS está disponível, a um custo de R$18 por hora, incluindo gasolina, vaga no prédio, além de higiene e manutenção. Após a reserva, a pessoa recebe um cartão que destrava as portas e, ao adentrar no veículo, responde, através de uma tela interativa, perguntas sobre o estado do carro. O trajeto não tem restrição de quilometragem, desde que seja intraurbano, sendo limitadas viagens para outras cidades além dos 22 municípios que integram a Grande Florianópolis. O carro ainda pode ser abastecido pela própria pessoa que reservar o veículo, em um posto de gasolina já cadastrado pela PodShare

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.