Descanso

conte-me mais sobre o que você pensa sobre mim que vou ficar me torturando ao tentar entender inutilmente o que eu acho sobre isso. um pause durante todo esse tempo. o que acho sobre isso? achei durante muita vida que melhorar era obrigação minha. ser uma pessoa menos medíocre. ser querida pelo mundo e ver o destino me abençoando com boas coincidências, tipo um pedido de desculpas por ter sido tão brutal. então eu dei duro. eu chorei demais, mas carreguei tanto peso quanto. eu não desisti de ir continuando. e continuar na vida é a única coisa verdadeira que a gente pode de fato fazer. toquei meu barco em chamas jogando água pra fora sempre que a tempestade da vez exigia. eu já abri o portão de casa como se estivesse prestes a entrar no inferno, e já abracei minha cama como se dormir pudesse ser a única coisa acolhedora que pudera ter me acontecido. eu gabaritei muitas provas e falei bem em muitos seminários. já rasguei muitos desenhos. já fui tão maior e menor do que as pessoas enxergam e só hoje entendi que a opinião delas verdadeiramente não me importa, porque enquanto escolheram me julgar eu já estava me preparando pra desviar de mais uma. uma vez uma amiga contou que o mundo era uma selva. era matar ou morrer. eu morri, e ela foi ganhar dinheiro. eu sou rica e nua dentro da minha pequena tentativa em ser gente. e hoje descobri que eu não quero mais ter que ouvir alguém supondo sobre quem sou enquanto fico me torturando e tentando entender meus próprios erros. julgar é abandonar. por hoje eu me perdoo. só por hoje eu não quero tentar me desconstruir inutilmente e corrigir todas essas falhas que são significantes de quem eu sou. porque descobri que sou alguém que fica. fica trancada no porão se esquivando de qualquer elo verdadeiramente humano e comum. mas fica. eu sou leal. e eu quero tentar manter todo mundo. mas as pessoas foram feitas com pernas e livre arbítrio, e meu ego transtornado por essa invariável e irracional culpa tem precisado de algum descanso.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.