7 coisas pra dizer à sua criança antes de abrir uma conta de email

Foto: opacity via Flickr

Esse texto começou como uma simples troca de emails com meu ex-marido. Ele dizia que estava percebendo que talvez fosse o momento de abrir uma conta de email e de skype pro nosso filho, de 10 anos, principalmente por causa da escola. Eu levei alguns dias digerindo a ideia — colocar o crianço assim, solto na internet, me deixou aflita. Flertei com o controle total: "e se eu configurar a conta dele de modo que eu receba uma cópia de todo email que ele mandar e receber?". Rapidinho um amigo me alertou que talvez aquilo não fosse um bom modelo de respeito à privacidade. E lá fui eu remoer mais um pouco…

Cheguei, depois de algumas leituras e reflexões, a uma lista de 7 coisas que eu e o pai vamos ter que abordar numa conversa com ele, antes de seguir adiante. Compartilho aqui porque acho que pode ser útil e também pra ver se alguém lembra de mais alguma coisa… Esqueci de algo? :)

***

1. Nós acreditamos na responsabilidade, na confiança e na privacidade. Estamos optando por deixá-lo ter um email e uma conta no skype antes mesmo disso ser permitido, principalmente porque confiamos nele. Não vamos instalar aquele esquema que manda cópia dos emails dele pra nós, porque confiamos e isso seria invadir a privacidade dele. Maaaaaaas…… nós vamos saber as senhas. E sempre que a gente pedir pra ver, ele tem que deixar. E se por acaso a gente achar que ele não tá fazendo bom uso dessa ‘liberdade e responsabilidade’ que estamos dando, as regras serão revistas. Ou seja, a gente tem a senha e não quer usar. Mas vamos usar se for preciso.

2. A internet funciona como a rua. Se ele não fala com estranhos na rua, não tem porque falar com estranhos na internet. Ele é muito, muito ingênuo… Não é maldade nem distração, é só ingenuidade mesmo. Então precisamos falar com ele sobre segurança, privacidade e que tipo de informação ele pode dar, onde e pra quem.

3. Tem coisas que não são legais, seja na vida real seja no computador. Xingar, constranger, zoar, fazer bullying… não é legal nem de fazer, nem de receber. Tá cheio de criança que é vítima na internet e acha que porque foi na internet não tem que contar pros pais. E por outro lado, ele também tem que entender que os efeitos de fazer isso na internet são os mesmos de fazer na escola. Ou seja, não pode. Outro dia peguei não sei quem da sala dele xingando o outro amiguinho no grupo de whatsapp porque era ruim de futebol (‘ah, vc é uma merda no futebol…’ e coisas assim. Não pode. Não seria legal ao vivo. Não é legal no virtual).

4. A gente precisa falar muito a sério sobre nudes e sexting. Ele pode tirar quantas fotos quiser dele mesmo. Mas ele precisa entender que não pode mandar isso pra ninguém. Na idade dele, não pode mesmo mandar pra ninguém, mesmo que seja solicitado. E se ele tirar pra ele mesmo, ele precisa apagar logo depois, porque se alguém pegar o celular dele ou o computador, já era. Ele também precisa entender que não pode ficar compartilhando foto de gente pelada que ele por ventura receber. Tem que entender que isso é crime. E que se ele algum dia receber alguma foto de alguém pelado, ele precisa falar com a gente. [E aí tem dois casos: ele queria receber, e ok, beleza, vamos lá falar sobre nudez, intimidade, pornô e etc; ou ele não queria receber e recebeu algo não-solicitado — e aí é bem, bem grave, e a gente precisa estar sabendo).

5. A internet tá cheia de coisas que não são verdadeiras. E repassar coisas não verdadeiras é crime também. Boatos, lendas urbanas, promoções, correntes, vírus, etc… Esse tipo de coisa que a gente já tá escolado, mas que ele não faz nem ideia. Ele pode inclusive se assustar por acreditar numa baboseira qualquer. Pior: pode repassar uma baboseira qualquer.

6. Coisas aparentemente inofensivas — como piadinhas, charges, etc — podem ofender os outros, porque muitas vezes contém preconceitos embutidos. Piadinha racista, musiquinha homofóbica, meme machista, charge com o Lula morto… tudo isso são coisas que já vi circulando nos grupos de whatsapp. Ele não tem noção… mas precisa começar a ter. Senão pode se meter numa encrenca gigante.

7. Uma vez na internet, não dá pra voltar atrás. Não tem como tirar do ar, apagar, pedir desculpas… A coisa fica. Ou seja, precisa ter responsabilidade.