As ruínas

e se o céu cair
o ciclo será quebrado?

e se uma rosa perfurar meu peito
o amor será selado?

e se minha alma ruir
serei um corpo fechado?

O odor da terra emudece os meus gritos
enquanto os vermes eclodem sobre minha pele
devorando os meus restos decompostos
realizando o ritual eterno da natureza

O tempo é a chaga e a cura
então sou seu eterno paciente
afogado nas areias de seu cativeiro
existindo nos domínios do meu próprio Éden

O que há dentro de mim?

Um conjunto imenso de escrituras
impregnadas em minha sanidade
alimentando meu viés poético
dramático como uma peça de Shakespeare

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Gabriel Bernardo’s story.