Espera Indefinida

É incrível como cada vez fica mais corriqueiro na minha vida e dos que me cercam. A premissa é clara, sempre estamos esperando alguma coisa.

Mas ai você pergunta: como assim esperar?

Façamos então um exercício de pensamento lógico e corriqueiro. Chega segunda-feira em alguma semana qualquer, qual é o seu primeiro pensamento? Tomara que chegue o fim de semana logo! Normal, simplório, visto que vem desde o finado Orkut, o qual uma das comunidades com mais integrantes era “Eu odeio a segunda-feira”, e expandindo temos o sentimento de chegar logo ao final do mês, ao começo das férias, ao próximo aniversário, ao carnaval. E isso acaba se tornando automático em nossos pensamentos até acharmos que é normal, que é convencional e que todos devem pensar da mesma maneira.

Esse é o momento que mais penso ultimamente, porque desejar tanto esses acontecimentos? Porque tratar com ansiedade (problema esse que afeta muita gente) essas ocasiões? Porque esperar?

Um dos maiores erros crassos da sociedade e, que sim eu cometo há muito tempo, é acreditar nisso, é acreditar que estamos no automático, acreditar que só existe felicidade e contemplação do que quero fazer somente aos finais de semana, férias, ou datas especiais.

Passar uma semana esperando somente o seu fim é quase a mesma coisa que esperar a vida inteira para fazer uma loucura no final da vida, é a mesma coisa que comemorar uma goleada de 10x0 só no final do jogo, que falar com a pessoa que mais queria falar só no final da festa.

Estamos vivendo em uma sociedade que os princípios de aproveitar a vida são diferentes, de cada dia ser especial nessa caminhada que fizemos. E isso não compete de todo dia fazer coisas mais loucas e viver absolutamente como se não houvesse o amanhã. Mas sim aproveitar cada momento por mais simplório que seja uma caminhada ao ar livre, tocar um instrumento, cantar sozinho na rua, ver a natureza.

Essas são algumas das coisas que desaprendi há muito tempo atrás a fazer, estou tentando enfim agora prestar mais atenção e conviver em maior felicidade comigo mesmo e não somente seguir a correnteza, ir com a maré. Porque se deixarmos assim, um dia sairemos dessa espera indefinida e ai sim, será tarde de mais para aproveitar a vida.

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Gabriel Brandt’s story.