Há tempos não escrevo aqui e não escrevo. Há tempos tomei a decisão de que escrever é besteira, períodos aqui e lá e eu perdi minha sintaxe. Nada por aqui tem vida. Digo porque Artaud contaminou meu pensamento e meu próprio sangue não tem vida. Repito: perdi minha sintaxe. Perdi o fluxo daquele rio, João, me perdi de mim, estou separado, e o que há pra todo lado é pouco pra se fazer todo.

Hoje reli as coisas que escrevi aqui: besteira. Besteira porque já escrevi e nada traz o tempo de volta. Faltam deuses e coisas no mundo que me façam pensar em deuses e coisas do mundo.

Eu já fui de gostar mais de mim. Também já fui de gostar menos. Agora do sei mais de poucas coisas e menos de várias. Não sei mais falar. Perdi a comunicação. Hoje eu sou crueldade e representação. Você tem interesse?

Há tempos não escrevo mais aqui. Há tempos eu deixei por mar o cadáver do peixe que jurei honrar. Meu irmão, me perdoe.

Lutei pra ser mais que a imagem de meu pai. Lutei porque tinha alguma força. Porque tinha

Hoje não tem data. Estou aqui e nenhum tempo me atingirá.

Like what you read? Give Gabriel Bustilho a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.