Mamãe, quem roubou um pedaço da lua?

No olhar da criança — e não tenho a audácia de chamá-la de ingênua ou inocente — vejo a falta que aquele pedaço da lua faz. O mar nunca será como era. Os poemas nunca serão como costumavam ser. Quem escreveria sobre uma meia-lua? Como os poetas farão suas comparações com uma meia-lua? Que falta faz a outra metade da laranja - digo, da lua.

Eu sei e você sabe que a lua vai voltar. Será que aquela criança também sabe? Qual seria a dor de perder a lua?

Espero que a criança se recupere emocionalmente do furto e encontre o ladrão. Que recupere a lua e nos devolva. A lua é minha, da criança, de todos e de ninguém.

Like what you read? Give Gabriel Bustilho a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.