Nesta carta vemos Wormwood falar sobre o início de uma guerra, e da satisfação em ver o sofrimento humano, sofrimento esse que segundo o próprio mestre pode levar o ser humano em direção ao inimigo. E ao meu ver, o mestre está com toda a razão. Já em outro trecho ele fala o quão bom seria para ele, se todo homem morresse em conforto com pessoas que mentem para amenizar a dor.

O sofrimento faz parte das nossas vidas, do nosso dia-a-dia, que nos faz chorar, nos faz pensar em desistir. E não precisamos de uma grande guerra para chegar a esse ponto de desespero, nossas pequenas guerras diárias, solidão, dificuldades financeiras, problemas nos relacionamentos, são o suficiente para isso. Mas por mas estranho que pareça é o momento em que mais lembramos de Deus, nem que seja para dar de dedo na cara dele e cupa-lo por todo nosso sofrimento. E não há nada de errado nessa atitude. E nesse momento podemos chegar mais perto Dele. E normalmente isso acontece porque percebemos nossas fraquezas e insignificância, somos frágeis. Então buscamos a força que precisamos Nele.

Por outro lado as alegrias e conquistas do dia-a-dia, nos fazem sentir bem e sorrir, enquanto inflam nossos egos e acabamos por esquecer de Deus. Nos compreendemos altos suficientes, não enxergamos Ele nisso. Até porque eu fiz por merecer né? Eu corri atrás, me esforcei. Nossa como eu sou foda. Não lembramos de Deus nesses momentos. E isso também é normal, mas nem por isso certo, devemos lutar contra isso.

Talvez por isso o sofrimento seja bom para nós, não enxergamos isso no momento que estamos passando, mas ele nos lembra de Deus e nos faz crescer também. Não to dizendo que devemos viver uma vida de sofrimento, na bad, mas esses momentos fazem parte da nossa vida, talvez em maior número do que as alegrias. E ao mesmo tempo, vamos tenar lembrar de Deus nas nossas alegrias também. Porque mesmo quando conquistamos algo, continuamos sendo fracos, inseguros, cheios de nossos medos, só não lembramos disso. Precisamos ser tratados a todo momento nessa utopia que é o cristianismo.

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Gabriel Dilay’s story.