Bullying: um crime sem passividade e lei forte.

Vimos um caso de bullying na semana passada, que terminou em atentado numa escola de Goiânia. E o que a gente viu é o que realmente pensamos sobre as coisas chegarem ao limite. Porque casos assim continuam acontecendo nas escolas todos os dias. O bullying tá se tornando um caso extremo na educação brasileira. Vários casos de pessoas que fazem esse tipo de prática ainda são grandes. Qualquer um tá fazendo bullying Não por razão e sim por diversão. Diversão ver as pessoas sofrerem ou rebaixar elas ao seu nível. Não é isso que quis dizer?

Se você achar legal esse tipo de coisa ou você acha que isso não existe. Saia fora e nem se atreva a voltar. Agora se você é como eu e concorda com isso, acompanhe até o fim. O que estamos falado é de uma coisa séria e desnecessária para todos, ate mesmo os pais e parentes. Quando se trata de bullying, ninguém nem mesmo a diretora reconhece que isso existe. Mas quando a pessoa não nota o quanto ela sofre pelas provocações. Aí que a culpa cai quando algo grave acontece. Todo mundo aqui assim como eu concorda que já sofreu bullying na vida e realmente, você ser humilhado na escola é um inferno. Não é uma simples brincadeira que faz de você uma pessoa infeliz mas sim um grande insulto​ que acaba te rebaixando. Não é por uma razão ou por uma pessoa. É qualquer razão sem uma lógica que vira um zoação de mau gosto.

Só porque a pessoa é heterossexual, que você chama ela de gay. Só porque o cara parece uma mulher que você chama ele de mulherzinha. Só porque você chama ela de louca, ou de outros nomes porque ela é diferente de você. Qualquer coisa que você usar como zoação nada legal na escola, é bullying. E ainda por cima a gente pensa onde vai terminar essa história. Eis que o pior sempre acontece. E é por isso que tem que existir uma lei forte contra esse tipo de absurdo porque aqui no Brasil as leis estão ficando fracas pra qualquer um. Não temos direito e nem responsabilidade pelos nossos atos por causa de simples briguinhas de escola. E sempre quem tem que responder isso é o próprio pai do aluno.

Em 2015 a ex presidente Dilma sancionou uma lei contra o bullying nas escolas e isso não teve nenhum resultado porque até agora o bullying não foi totalmente erradicado. Se for pra resolver a questão do bullying nas escolas e onde estiver, até na internet, precisamos de leis mais fortes, e também de um juizado mais franco e rígido. Por isso não é necessário uma redução da maioridade penal e sim criar uma divisão de maioridade penal para crimes contra os direitos humanos, cujo não devia servir pra quem faz bandidagem e só porque tem 14 anos não pode ser preso porque é protegido pelo estatuto da criança e do adolescente.

A gente não precisa esperar para que o próximo presidente seja eleito, vamos ter que tomar uma atitude perante a esses crimes de menores infratores a começar com o bullying nas escolas porque além de ser inadmissível, é crime e leva os jovem ao caminho errado da vida, tanto pra quem faz quanto pra quem sofre, a gente não pode permitir que os pais percam seus filhos por causa do bullying. Isso destrói até mesmo uma família, coisas que não chegou a acontecer comigo mas com outras pessoas, talvez não diria o mesmo, e a prova disso aconteceu na semana passada.

Eu recomendo que você que está lendo este artigo, faça uma nova lei forte e transparente contra esse tipo de prática no site do E-cidadania do senado federal. Eu deixarei o link aqui. Além de você poder criar qualquer proposta, ainda vai existir outras leis pra você apoiar e enviar para seus amigos. E sugiro que apoie qualquer lei que mencionasse a redução da maioridade penal para qualquer tipo de delito. Para mostrar que o país precisa de rigorosidade para combate ao crime e a menores marginais.

Assim nosso país terá liberdade para ter uma educação melhor e mais adequada para os alunos e para os jovens e com boa educação teremos futuro melhor hoje para as futuras gerações.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.