Torneio 1x1 d'entro

Atrasado pra sair, levantei repentinamente da cadeira, fui em direção ao armário pegar meu par de tênis quando sinto aquela sensação de formigamento estranho no pé e tornozelo direito.

Mas como se o horário do compromisso martelasse na minha cabeça junto a possibilidade de atraso, não me deixei deter. Lancei-me dos ensinamentos folclóricos nacionais, como que de boina vermelha, erguia a perna “formigadamente” afetada, me pus perneta e sai pelas sertanias de meus corredores ao encontro do bendito tênis.

Pendendo em lado, semi-tombando do outro, entre trancos e barrancos, me vi frente ao tênis. Inflamado de ímpeto, agarrei-o e calcei!

Já calçado e em direção ao tal compromisso, pensei como nossa vontade tem uma influência tamanha sobre onde queremos chegar e como vamos chegar.

Conheço jovens artistas que entre trabalho e estudo somam de 12 a 16 horas diárias e ainda sim, mesmo que de forma pequena, se lançam, madrugada após madrugada, alguns passos mais perto de seus sonhos, metas, seja lá como queira chamar.

Como na minha jornada, eles sabem que desejam chegar no tênis, tem total consciência de que o formigamento PODE impedi-los, mas sequer por um segundo, descartam a ida ao objetivo, saltando em um pé só.

Alguns chamam de foco, outros de motivação, mas mesmo tendo ou não todos esses nomes, sabemos que trata-se de QUERER!

E nessa competição, seus maiores adversários são os outros “eus” aí dentro. O Eu-Netflix, o Eu-dormir, Eu-desistir, etc.

É um tanto piegas falar dessa forma, quase que um livro auto-ajuda bestseller da livraria do shopping, mas é pura e simplesmente assim.

Você versus você.

E uma dica.: Dá hadouken!