Ando nas ruas

Ando nas ruas.

Quase sempre vazias.

Quase sempre sombrias.

Quase sempre meus dias,

passados vazios.

Ando nas ruas.

Poucas vezes em dia.

Tantas vezes na noite.

Tantas vezes com lua.

Nem sempre com estrelas.

Na sombra dos prédios,

me faço esconder.

Me escondo do céu,

me escondo da lua.

Me escondo da vida,

me escondo sem vida.

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Gabriel Costa’s story.