Como me senti no dia seguinte ao youPIX CON
YOUPIX
655

Eu definitivamente amo o youPIX e tudo que ele representa.

Infelizmente a única oportunidade de estar presente foi no festival de 2013. A vida tem dessas coisas, na época, lembro de ter saído do festival com a sensação de que não valia a pena (pra mim: criador de conteúdo de cinema, estabelecido apenas em textos) investir em migrar para o YouTube porque aquele espaço já estava “dominado” e não permitia que outras pessoas crescessem.

Infelizmente hoje vejo que eu não poderia estar mais longe da realidade. Tenho um site de cinema desde 2008. Tenho certeza absoluta que, se nesse tempo, eu estivesse criando conteúdo no YouTube, hoje eu seria um convidado do youpix e estaria em uma posição mais confortável de “reconhecimento”.

Minha frustração com o youpix, e consequentemente transferida para a persona da Bia Granja, é de adotar medidas restritivas ao invés de inclusivas, como era o intuito original do projeto. Entendo que é inviável rolar youpix festival e youpix con no mesmo espaço físico. Em 2013 isso já era notável. O que me entristece é não ter a chance de participar disso por ser fechado a convidados. Mesmo que fosse um evento pago e caro como é o Rio Content Market (do Festival do Rio), seria um investimento que valeria a pena.

OK, tinha como assistir via livestram, mas quem é creator sabe que network é tão importante quanto saber criar conteúdo. E isso foi tirado de todos nós “pequenos” do único evento totalmente focado em internet.

Tudo que me resta é continuar batalhando, correndo atrás do prejuízo de minhas decisões equivocadas e esperar que mais eventos assim apareçam e ajudem a nós “pequenos” a trocar ideias e se relacionar com outros creators.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.