Fim do mundo toda vez que eu tenho que me submeter à uma maldita tarja preta. Infinito Armagedom mental. Batalha de sentimentos num vazio espacial. Vácuo. O mundo treme, sua, hiper-ventila, queima friamente, congela o inferno astral. Dilacera meu corpo sem piedade. E esse corpo era o que faltava para o fim, pois a mente já se foi. Pois a mente já se foi. Mas desce dos céus e emerge da terra, Santo Cálice de água pura. Desce esôfago abaixo. Todo alprazolam, toda fluoxetina, e sertralina, e paroxetina, e risperidona, e clonazepam e bromazepam. O sangue das minhas mãos brilham no espelho. Esquizofrenia ou sinérese vítrea, ou psicopata, ou 5 vezes aquário, ou ataques oníricos, ou THC. Paralisia do sono. Acordado? Não tem óculos pra isso. Meu oftalmologista não me deixa usar lente porque tenho conjuntivite alérgica. Miopia da vida. tag, sdp, ts, toc, tbt II. Não é nada, não. Tô com sono.

Like what you read? Give Bilidin a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.