Mais uma vez encontro-me atônito diante do teto do meu quarto. O vento seco e gélido do ventilador no chão faz meu olho ressecar, e arder, e lacrimejar. E tiro proveito da situação sem exitar. Explodindo-me em sentimentos e pensamentos, meu corpo entra em colapso ante a crise existencial. A água salgada escorre no meu rosto queimando-o, enquanto o teto sufoca-me contra as molas barulhentas do colchão duro. Quem sou eu.
One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.