Ônibus Novo

Hoje chove muito em São Paulo, e graças a brilhante ideia de colocar novos pontos de ônibus, novos sim, mas que não te protegem nem da chuva, nem do vento e muito menos do sol, estava lá eu, não na chuva, mas com a nítida impressão de que guarda-chuva foi feito única e exclusivamente pra te dar coragem de enfrentar a chuva, por que também não te proteje de forma alguma do vento dessa cidade, dessas grandes avenidas.

Acordei com muitos pensamentos derrotistas no dia de hoje, e essa situação não melhorou em nada a vontade que eu estava de pedir colo pra minha mãe, e deixar essa história de ser adulto de lado.

Vi no jornal que estão desenvolvendo um algoritmo nas redes sociais para detectar pessoas com depressão a partir do comportamento delas como usuários, achei muito bom, por que meu trabalho é esse, mas eles deram alguns indicativos e eu me encaixei em todos, talvez seja um alerta, quem sabe.

E apesar de todos os pensamentos de hoje, meu ônibus chegou e eu quase não reconheci, achei que era um ônibus municipal, nunca tinha visto um ônibus normal, muito menos da linha que eu pego, em um estado tão bom.

Quase perdi, pois eu ando sem óculos mesmo sem enxergar, e por que não achei que fosse o meu ônibus.

E quando entrei disse ao motorista, que não tinha reconhecido e por isso não dei sinal antes dele parar, e agradeci por ele ter parado mesmo assim.

E ele me disse que era a primeira corrida desse ônibus, que ele era melhor e com uma infinidade de vantagens que ele descreveu orgulhoso como se ele mesmo o tivesse comprado.

Encarei isso como se fosse o universo me dizendo que tudo ficaria bem hoje, como se aquele ônibus novo e vazio, fosse quase um abraço do universo, me dizendo pra ter calma e o orgulho do motorista por algo que nem era dele me fizesse ver que, apesar de tanta coisa que não tenho, é tanta coisa que eu tenho pra reclamar, pelo menos meu ônibus era bem melhor, pelo menos eu estava ali pra ver aquele motorista orgulhar-se por uma melhoria na cidade dele, que ele tinha orgulho de estar dirigindo aquele ônibus novinho.

Então eu respirei, umas muitas vezes, e me orgulhei do que não era meu, mas era melhor pra mim de muitas formas.

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Gabriella Denófrio’s story.