Quando Gaia apresenta um ❤, difícil é não buscar a compaixão. — Lençois Maranhense 2015

“Só sei, que nada sei”


Simples assim?

Apesar de conhecer a tão banalizada (inclusive por mim mesma) citação de sócrates, este ano realmente senti na pele, estas EXATAS palavras. Elas ajudam a me conformar com o não conformismo, a me preocupar menos e viver mais =) ❤

2015 Pra mim, Gabriella Sá, dentro de meu enredo, minhas circunstâncias e por tanto em minha perspectiva, foi o ano mais difícil da minha vida, até agora, óbvio. E se o medidor for “nível de transformação”, eu abdico de tudo e de todos, eu me entrego, por mais um, ou melhor por mais muitos aprendizados como as de 2015.

Este ano, tudo se desconstruiu, tudo que era óbvio se tornou repugnante, tudo que me apelava se tornou meu porto seguro. — Shock. Absoluto.

Crise existencial? Alguns podem até dizer que é o caso. Eu prefiro chamar de ampliação de consciência. =)

Aprendi a não me conformar com nada. Aprendi a ouvir, a reverenciar ao outro. Aprendi que tudo nasce de uma perspectiva, igualmente válida. Aprendi a ter compaixão, ao pé da letra. Aprendi a dançar, o caminho do meio. Aprendi que estamos aqui pra viver experiências, as vezes extremas. Aprendi que tudo vale.

Descobri que a humanidade, ta em “busca”. Somos criadores acima de tudo, e para criar é necessário “experimentar”. Ano passado estava “experimentando” um caminho, este ano estou “experimentando” outro.

Perdi o chão quando entendi que aquela experiência não me servia mais. Mas hoje eu entendo que sou definitivamente composta “daquele” caminho, do que estou vivendo “agora” e de muitos outros “por vir”.

Ao meu ver a humanidade TODA, é composta de gênios beirando a loucura, essencialmente multifacetados, contraditórios, percursando labirintos indelineáveis.

Por tanto, agora, por amor próprio, procuro não “delinear” ou “definir” uma pessoa, nem pelo o que vi nem pelo o que vejo. O julgamento é stagnado. Procuro apenas respeitar e no máximo espelhar, e nada mais.

A experiência é passageira e é o que possibilita evolução. Cada um está vivendo suas experiências e seus caminhos, em seu tempo.

Os que me amam não tentam me definir, pelo que fui nem pelo que sou.

Os que me amam me ajudam a experimentar, ontem, hoje e amanhã.

Se tudo transcende, transforma, transmuta e transmuda. Tentar “saber” te levará a entender que nada “sabe”.

Por isso 2015 eu sou eternamente grata. Não preciso me conformar com quem eu sou, sei ou serei preciso apenas SER. ❤

Live more and worry less =)

Desejo um ano de celebração, de se lambuzar em experiências reveladoras, deliciosas, sensoriais e inesquecíveis!!

Etrê cheries.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.