A hora que a lágrima encosta no olho

que o arrepio sobe pela espinha

que o peito se entrelaça e não se encontra

Essa hora sempre chega


Sempre chega sem avisar

É vendo um olhar

Ouvindo uma voz

Lendo uma mensagem


Quem tá falando?

Quem tá falando?

Quem tá dizendo?

Quem?


Nos arredores do cérebro, quem sussurra?

Nos canto dos olhos, quem se esconde?

No fundo do peito, quem dorme?

Nas pernas que me sustentam, quem corrói os ossos?