Você me tira o caminhar

Você me tira o caminhar

Condena o existir
Condena o amar
Condema meu andar
Separa nossos lábios

Me coloca como peste
Me joga na valeta
Condena meu sangue 
E o vê escorrer pela rua

Você me tira a dignidade
Usa do seu Deus para me crucificar 
Me coloca nas sombras 
Me enterra sobre o lixo

Da nossa dor
Surge a resistência 
Astearemos nossas cores 
Traremos a luz

Negaremos as sombras 
Negeremos o túmulo 
Daremos as mãos

Se necessário 
Viraremos o mundo do avesso
Para mostrar que jamais
Voltaremos para o armário.

Like what you read? Give Gabriel Mello a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.